Arquivo da tag: SPFW

06/05/2016_09:00

A Ellus desfilou sua coleção Primavera/Verão 2017, encerrando com chave de ouro o último dia de desfiles da edição de número 41, da São Paulo Fashion Week. Batizada de “Ellus Digital Wave”, a coleção tem como ponto de partida uma viagem ao Havaí para propor um mergulho no que há de mais atual no universo jovem e digital.

A diretora de criação Adriana Bozon e o estilista Rodolfo Souza remixaram trajes da cultura nativa, roupas esportivas dos surfistas, o inevitável biquíni, leves referências 40′s e militares. A esse caldeirão havaiano foi adicionado o espírito rocker e urbano característico da marca.

O site de moda “FFW” destacou as franjas havaianas, normalmente usadas em saias, mas que nesta coleção foram parar nos tops ombro a ombro. Outro highlight, segundo o portal, foi a renda resinada, que perdeu o aspecto handmade, ganhando um perfume tecnológico que reforçou o conceito da coleção. Mas o que causou frisson mesmo foram as sandálias usadas tanto no masculino quanto no feminino. O site sentenciou: “dá vontade de usar agora”.

Já a Vogue Brasil citou a versão desconstruída da jaqueta de couro perfecto — um ícone da marca —, só que desta vez, dando vida a boleros ombro a ombro e vestidinhos com babados. “Uma ótima maneira de vestir o romântico em versão hardcore nada açucarada”, avaliou o site.

A Elle elogiou a habilidade de misturar a referência havaiana, presente principalmente nas estampas florais, com a estética rock and roll, que veio nos tops cropped com animal print. Tudo vibrando em total sintonia com o DNA da marca.

Um dos destaques citados pela editora de moda Lilian Pacce foi o vestido de couro preto usado por Daiane Conterato. Outro look destacado pela especialista foi o vestido de sarja de cor castanho-militar com bolso utilitário, zíper e canelado preto, que em suas palavras, “é altamente desejável”.

04/05/2016_09:00

A Ellus 2nd Floor retornou às passarelas da São Paulo Fashion Week em total alinhamento às mais recentes e importantes mudanças no mercado de moda atual. Pela primeiras vez, toda a coleção apresentada no desfile foi colocada à venda em uma pop store no Shopping Iguatemi, em São Paulo.

“Sempre acreditamos no novo e queremos nos manter atualizados com as vontades de nossos consumidores”, conta a diretora de criação, Adriana Bozon, sobre os primeiros movimentos da marca em direção desse novo formato, o “see now buy now”.Esse novo formato acaba com aquela ansiedade horrível de assistir ao desfile, gostar das roupas,e precisar esperar até seis meses para poder usar os looks. O sofrimento acabou. Passa lá na nossa pop-up store e se joga!

O ponto de partida da coleção foi a icônica série vintage “Batman Classic TV Series”, de 1966, que serviu também como intepretação para um repertório gráfico e urbano. “Pensamos numa Gotham City atual, a partir daí, trabalhamos com diversos elementos do nosso dia a dia”, explica o estilista Thiago Marcon.

Ainda com a luz apagada, viase apenas um néon aceso com o nome da marca e alguns elementos cênicos bem representativos das metrópoles contemporâneas, como cones e cavaletes de trânsito. Essa foi a deixa para o que viria a seguir: pichações se transformaram em estampas e sinais de trânsito em patches ao lado das personagens da série, em versão super cool, quase como emojis.

Das ruas das cidades vêm também a cartela de cores, predominando os cinzas e os tons escuros, com pontos de amarelo e vermelho, e os motivos de grafite, assinados em parceria com o artista Tico Canatto. Nos tecidos, malhas e couros, reforçam a silhueta levemente estruturada que marca a estação.

Entre os acessórios, dois modelos de bolsas, sapatos pesados e óculos tipo gatinho para arremetar o visual sempre jovem da label — que, agora, sai direto da passarela para ganhar vida nos corpos dos cidadãos e cidadãs mais espertos.

15/10/2015_18:01

por MARAYSA FIGUEIREDO

O tempo passa, o tempo voa e lá se vão 43 anos de ELLUS. Nesta conta, é bom destacar que há 21 anos a marca de Nelson Alvarenga e Adriana Bozon lança coleções na maior semana de moda do País. Nos longínquos anos de 1994, a ELLUS fazia sua estreia no Morumbi Fashion, evento percursor do atual São Paulo Fashion Week.

Depois de tantos momentos, histórias e emoções, eis que começa mais uma edição do SPFW e quarta-feira, dia 21/10, é o nosso grande dia! Já que recordar é viver, a Sala ELLUS montou uma retrospectiva de dois posts com os principais desfiles que temos registro. Prepare-se: a maratona fashion vai começar!

As passarelas de 1999 do Morumbi Fashion anunciavam o verão do novo milênio e sim, nós marcamos este momento com Kate Moss! 

Todos os olhares miraram na top inglesa, que depois usar um biquíni com patchwork de denim ao lado do modelo Paulo Ferreira, emprestou a sua celebrada imagem heroin chic para um novo conceito criado pela ELLUS: o hippie chic.

Logo as temperaturas despencaram nas passarelas, dando início ao inverno 2000. Era a 8° edição do Morumbi Fashion e o hot-moment ficou por conta da modelo sudanesa Alek Wek, que veio para apresentar a coleção “Terra” no nosso desfile.

Ela ficou no Brasil um tempinho e logo depois posou para uma das nossas campanhas, a primeira vez que apresentamos jeans acobreado e em tons de marrom.

Ana Claudia Michels tinha só 19 aninhos quando invadiu o verão 2001 da Ellus. Mas o destaque da coleção foi a participação de Talytha Pugliese, Caroline Ribeiro e Mariana Weickert como “Ellus Angels”.

Conceito diretamente inspirado no remake de “As Panteras” que estreava naquele ano nos cinemas, a estratégia também inspirou uma das mais memoráveis campanhas da marca de jeanswear.

Já a inspiração para o inverno 2001 foi o “school glam” e o jeans foi a base para grafismo e até para a literatura. Arnaldo Antunes participou da trilha do desfile e, de quebra, criou dez  poemas para a Ellus, que foi estampado em 67 peças da coleção.

O nome era Madonna e o hit era “Like a Virgin”, e assim a Ellus já tinha tudo o que precisava para se inspirar para o verão 2002. Os shapes não estavam nas peças, mas sim no corpo, moldados a jeans, tule e mousseline. Quem duvida o quão divertido foi?

No inverno 2002 da Ellus, gentileza pouca, é bobagem! E o profeta mais gentil que esse país já teve o prazer de ver foi a inspiração da temporada, que trouxe mulheres com ares de guerreiras, mas muito sexys, afinal.

Festa e rock n’ roll: a Ellus comemorava 30 anos de vida com desfile arrasador, com direito a sequência de topless! Com inspiração nos piratas urbanos e perfume setentista com um quê folk, a festa teve direito a banho de champagne no final.

Muito antes dos 50 tons de cinza, a Ellus levou para sua passarela de inverno 2003 o mundo do fetiche, das fantasias sexuais e do sadomasoquismo. O preto e o couro não podiam faltar.

O verão 2004 foi da mulher que transita por aí sem medo, conhecendo mil culturas e sendo influenciada por tudo isso… O resultado pode ser visto em peças delicadas, com sweet colors e flores aquareladas de encher os olhos.

Já o inverno 2004 veio colorido e com inspiração hippie. Nosso icônico jeans recebeu de braços abertos batas, chapéus e botas de cowboy, num clima pra lá de western.

Tudo preto no branco,  smoking, camisas e coletes desfiados. No verão de 2005, Carol Trentini dava início a uma longa e feliz parceria com a Ellus. De quebra, ainda teve Erik Marmo para delírio geral.

Daniella Cicarelli desfilou um inverno 2005 cheio de atitude, bem street e com uma pegada neo-boemia. O nosso jeans apareceu sem lavagens, na essência, fazendo composições nada óbvias com saias ultraromânticas.

Mais uma vez Carol Trentini deu o ar de sua graça e deixou o verão 2006 da Ellus com muito mais cor, em edição que teve cenografia especial na passarela.

E fez-se neve! Com babados, mangas bufantes, sedas, tafetás e muita leveza, a Ellus voou junto com a “mulher pássaro” e fez da passarela um show à parte, com Carol Trentini encarando a mulher forte e ao mesmo tempo glamourosa.

O cenário do nosso desfile verão 2007 foi tão incomum quanto apaixonante: em um busque do Parque Ibirapuera. Um inverno de estampas e amores, com Letícia Birheuer tão estonteante quanto colorida.

O “caos urbano” invadiu o streetwear, que trouxe de volta Letícia Birkheuer para a passarela no nosso inverno 2007.

Ficou gostinho de quero mais? Amanhã você confere mais momentos marcantes na trajetória da Ellus no SPFW!

15/04/2015_19:39

por MILENA COPPI

A repercussão do desfile de verão 2016 da ELLUS, que rolou no segundo dia do SPFW, não poderia ter sido melhor. Direto da fila A, editoras de moda viram de perto a coleção Marrakech Jorney (que você já se deliciou com os looks aqui) e fizeram críticas que fizeram o nosso coração acelerar!

Gloria Kalil, do Chicdestacou em sua crítica a coleção de jeans, desta vez mais natural e sem lavagem, presente em jaquetas, shorts, calças e saias.

Já Lilian Pacce chamou atenção para os looks masculinos, que ficaram de fora do desfile. Desta vez, os boys — entre eles o fotógrafo Paulo Reis, o RP Fábio Queiroz e o muso do fitness, Ricardo Barbato — só estiveram presentes durante a aparição final, quando arrancaram suspiros dos convidados.

O motivo? Todos eles usavam barbas, em alusão os charmosos homens marroquinos.

Vivian Sotocorno, repórter da Vogue, lembrou dos looks crus de tapeçaria, utilizados com amarrações inspiradas nos povos barbares. Ela também elogiou o nosso ótimo casting, destacando a diversidade étnica.

Por último, Luigi Torre, editor da Harper’s Bazaar, pontuou o mood setentista como o pontapé para a criação desta coleção. “A atual onda 70′s deixou a diretora de criação Adriana Bozon e o estilista Rodolfo Souza pensando no Marrocos e nas noites de hedonismo em sua capital, Marrakech, durante os anos 1970″, disse ele, que completou: “Trata-se de uma combinação entre o jeanswear urbano da ELLUS Jeans Deluxe com os elementos típicos da cultura marroquina”.

15/04/2015_12:00

No segundo dia do São Paulo Fashion Week, a ELLUS transformou a passarela de sua sala de desfile em uma versão cool de uma rua de Marrakech, cidade africana que inspirou  a nossa coleção de verão 2016 (como você viu aqui). Sob a direção criativa de Adriana Bozon, o estilista Rodolfo Souza apresentou saias e vestidos midi em looks crus que faziam alusão conceitual à tapeçaria local. 

Em cena, tops como Carol Trentini, Thairine Garcia e Cris Herrmann. O desfile, aliás, foi predominantemente feminino — os modelos, todos barbudos, fizeram uma entrada totalitária na fila final — e ganhou ainda mais impacto com a cenografia de Guilherme Ávila, que contava com um tapete étnico de geometrismo impressionante, todo feito com areia (uma tradição do país).

Passagem comprada, vamos decolar com destino à “Marrakech Journey”.