Arquivo da tag: sala ellus

22/05/2015_10:00

por CLÉO SANTIAGO

Boa notícia para quem admira o cinema francês: em julho, chega ao MIS (Museu da Imagem e do Som), em São Paulo, uma exposição especial em homenagem a François Truffaut. A mostra, já exibida na Cinemateca Francesa de Paris entre outubro de 2014 e fevereiro de 2015, conta com um extenso acervo doado pela família do diretor francês com desenhos, fotos, objetos, livros e revistas, roteiros manuscritos e figurinos, além de trechos de filmes e entrevistas de Truffaut.

A exposição também promete uma bela mostra paralela de filmes do diretor, roteirista, produtor e ator, onde não esperamos nada menos que os clássicos da Nouvelle Vague francesa.

Sala ELLUS montou um top 3 com trailers dos filmes que você não pode perder. Aperte o play.

“OS INCOMPREENDIDOS” (1959)

Antoine Doinel (Jean-Pierre Léaud) é um garoto de 14 anos que não recebe muita atenção de seus pais. O pré-adolescente, então, mata aula para ir ao cinema e sair com seus amigos. Certo dia, descobre sem querer que sua mãe tem um amante.

POR QUE NÃO PERDER: Este é o primeiro longa de Truffaut, que lhe rendeu o prêmio de Melhor Diretor no Festival de Cannes de 1959.

“JULES E JIM – UMA MULHER PARA DOIS” (1962)

Jules (Oskar Werner) é um  judeu-alemão tímido e Jim (Henri Serri), um francês extrovertido. Eles se tornam grandes amigos e, em uma viagem para uma ilha um pouco distante da Grécia, eles vêem uma estátua com um sorriso encantador e, quando voltam à Paris, conhecem Catherine (Jeanne Moreau), uma jovem que se parece com a escultura. Logo, os três boêmios se tornam um trio inseparável, vivendo momentos agradáveis e o início de um triângulo amoroso.

POR QUE NÃO PERDER: Além de uma obra de arte, “Jules e Jim” conversa com o filme “Uma mulher é uma mulher” (1961), de Jean-Luc Godard, grande amigo pessoal e companheiro artístico de François.

“A NOITE AMERICANA” (1973)

Na França, começam as filmagens do longa “Je vous présente Pamela”, que conta a história de uma jovem inglesa que troca o marido francês pelo sogro. Truffaut atua como ator, vivendo Ferrand, o diretor. Alphonse (Jean-Pierre Léaud) é o inseguro galã; Séverine (Valentina Cortese), a diva perto da aposentadoria; e Julie (Jacqueline Bisset), viva protagonista Pamela, sempre à beira de um ataque de nervos.

POR QUE NÃO PERDER: ”A Noite Americana” é uma metalinguagem confusa e bem humorada — no estilo francês, é claro — sobre os sets de filmagem. Com esta obra, Truffaut foi indicado ao Oscar nas categorias Melhor Diretor e Melhor Roteiro Original, levando para casa a segunda premiação.

20/05/2015_10:00

por CLEO SANTIAGO

Falar que os acessórios são essenciais para compôr um look cheio de atitude já virou clichê. Afinal, quem fashionisticamente bem intencionado resiste a bons complementos ao outfit?

Por isso — e sem mais delongas —, segue aqui uma seleção da Sala ELLUS com os hot-accessories da temporada.

1) O ar utilitário conquistou espaço. Apresentamos uma nova mochila, que adere à tendência militarista do inverno 2015 e e ainda com pelos sintéticos em tons terrosos, que são umas das apostas da ELLUS.

Clique aqui para comprar esta mochila na Online Store.

2) A clássica baú ganhou algumas releituras neste inverno. Atenção extraordinária para a data de criação da ELLUS em alto relevo. Nós amamos a versão vermelha. Statement piece desde já.

Clique aqui para comprar esta bolsa na Online Store.

3) A bolsa tiracolo se torna ainda mais cool com as tachas que fazem parte do nosso DNA. Em tom de ferrugem, a bolsa ganha ainda mais personalidade graças ao gigantismo das quatro ferragens aplicadas na alça. O tamanho é médio: perfeito para levar o essencial.

Clique aqui para compra esta bolsa tiracolo na Online Store.

4) E o que seria desta lista se não fosse uma shopping bag? A sacola de compras aqui é formada por linhas retas e faz a felicidade de quem é afeito ao normcore. Além do básico preto, também existem as opções em pink e vermelho.

Clique aqui para comprar esta shopping bag na Online Store.

04/05/2015_10:00

por CLEO SANTIAGO

Toda a irreverência de Alice Cooper, misturado com o carisma de Johnny Depp e a experiência de Joe Perry — principal guitarrista do Aerosmith—, aliado ao inegável talento dos três músicos não podia dar em outra coisa.

Você já deve saber que estamos falando do fenômeno Hollywood Vampires, banda que ainda nem lançou o seu primeiro álbum, mas já está com presença confirmada para tocar no Rock in Rio Brasil, no dia 24 de setembro, na mesma noite de Queens of the Stone Age e System Of a Down.

Percebeu que dissemos “ainda” ali em cima? É que a superbanda declarou que, na realidade, já tem um álbum inteiro gravado e mixado, totalmente pronto para ser lançado. Em entrevista à revista americana Billboard, Alice Cooper alegrou os fãs afirmando que o trabalho de estreia estará disponível para o público em breve, apesar de não ter confirmado nenhuma data específica para o acontecimento.

O disco, explicou Cooper, será praticamente inteiro de covers de clássicos do rock e contará com participações pra lá de especiais: estão confirmados nomes como os de Dave Grohl (Foo Fighters), Brian Johnson (AC/DC) e Paul McCartney. Além disso, o músico deixou escapar que este trabalho será uma clara homenagem ao cenário do rock americano dos anos 1970.

Óbvio que também estamos a espera de um trabalho inédito produzido pela banda e a novidade ficou por conta de uma faixa composta por Alice Cooper em parceria com Johnny Depp e Bob Ezrin (produtor estrelado de álbuns de Cooper, Pink Floyd, entre outros).

A canção se chama “All my dead drunk friends” e, bem, sua homenagem é autoexplicativa, certo?

27/03/2015_10:00

por ALEXIA CHLAMTAC

Muito provavelmente você já ouviu falar em Wassily Kandinsky — reconheceu o sobrenome? —, mas talvez não faça ideia da importância do artista russo: ele é, simplesmente, o pai do abstracionismo.

É por isso que a primeira mostra retrospectiva do pintor a vir para América Latina tem tanta importância: “Kandinsky: tudo começa num ponto” chegou ao Brasil em novembro do ano passado e está em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro (CCBB-RJ) até 30 de março. Em seguida, chega à São Paulo (18 de abril à 29 de junho) e termina em Belo Horizonte (21 de julho e 28 de setembro).

A trajetória de Kandisnky é contada através de 72 obras que convidam o espectador a imergir nos seus pensamentos. A viagem é feita por meio de textos, sons e imagens.

A curadora Evgenia Petrova diz, no site do centro cultural, que “a maior parte da exposição é dedicada justamente aos pormenores que explicam e complementam nosso conhecimento sobre Kandinsky”. Ficamos curiosos!

Um destes pormenores é uma sala sensorial interativa que promove uma experiência na vida do russo. É onde público pode vivenciar os conceitos desenvolvidos pelo artista e conferir trabalhos que influenciaram a sua estética.

Verdadeiras joias da arte tradicional da Sibéria e objetos de rituais xamânicos apresentam um novo lado de Kandinsky para o público brasileiro. Tais relíquias vieram do Museu Estatal Russo de São Petersburgo e de outros sete museus da Rússia, além de coleções da Alemanha, Áustria, Inglaterra e França.

As obras são apresentadas em cinco áreas diferentes, separadas por tema. É, sobretudo, uma oportunidade de mergulhar na arte moderna da Eurásia a partir de uma imersão pela vida e pela obra de Wassily Kandinsky. Agende-se.

24/03/2015_14:22

por ALEXIA CHLAMTAC

As jogging pants — calças de moletom com elástico na cintura e na barra — surgiram na década de 1980 e são uma marca da geração sporty. O motivo disso, é claro, era o conforto proporcionado pela peça, que foi inspirada nas modelagens da época. Em 2010, as calças de academia começaram a ser resgatadas em desfiles internacionais, mas a fama instantânea veio quando personalidades como Katie Holmes e Gwen Stefani passaram a usá-las com sandálias e botas luxuosas. Nesta ocasião, foram rebatizadas como sweatpants.

Agora imagine a sensação confortável de usar um moletom, mas com aparência e durabilidade do jeans? Não precisa imaginar: a jogging denim é a principal novidade do inverno 2015 da ELLUS.

Indo de encontro com a febre esportiva que toma conta da moda mundial — que pedem por uma vida mais prática e moldada à velocidade do século 21 —, o interior da nossa jogging denim tem uma construção que imita malha, com flexibilidade e toque macio. No entanto, do lado de fora, as características essenciais do famoso jeans premium da ELLUS estão lá: five pockets, detalhes maquinetados, botões em rebite…

O segredo desta inovação têxtil está na combinação destas duas camadas de tecido, que possibilita o conforto e o caimento de um moletom dentro de um autêntico denim. Pois todas as peças da linha ELLUS Jogging Denim oferecem as possibilidades de lavagens e os efeitos de lavanderia que já são uma marca da grife.