Arquivo da tag: rock

09/07/2015_12:37

por CLÉO SANTIAGO E IGOR FIDALGO

1995 foi um ano muito importante para o mundo. Foi quando o russo Valeri Polyakov quebrou o recorde de tempo fora da Terra (437 dias no espaço) e quando Mike Tyson voltou aos ringues e nocauteou Peter McNeley. No Brasil, nasciam Marina Ruy Barbosa e Bruna Marquezine, e “Malhação” estreava na Rede Globo. A gente começava a criar uma íntima ligação com informática e a Microsoft nos brindou com o então inovador Windows 95.

Falando em tecnologia, foi também em 1995 que o mecanismo de busca Yahoo foi criado (sistema que usaríamos até o boom do Google, no começo dos anos 2000). O Yahoo facilitou a nossa consulta a letras de música e discografia de bandas que só podíamos ouvir no rádio (o Napster só seria inventando em 1999). Vivíamos momento de êxtase: álbuns históricos, como “Jagged little pill” (de Alanis Morissette), “These days” (do Bon Jovi), “(What’s the story) Morning glory?” (do Oasis), “Daydream” (da Mariah Carey), “One hot minute” do Red Hot Chilli Peppers, e “Mellon Collie and the infinite sadness” (do Smashing Pumpkins), estavam sendo lançados.

Foi ainda um ano de coletâneas. Enquanto Michael Jackson (ainda vivo) revisitava a sua carreira com “HIStory”, o Queen lançava o álbum póstumo “Made in heaven” e Madonna tentava abafar o escândalo do livro de porn art “SEX” compilando todas as suas baladas, de “Crazy for you” a “Take a bow”, dentro do lendário “Something to remember”.

Acreditando que o ano de 1995 foi muito importante para a cultura pop, Sala ELLUS listou 10 videoclipes que estão fazendo 20 anos em 2015. Aumente o som e tire as crianças da sala — afinal de contas, elas não vão conhecer nenhuma música.

1) “SABOTAGE”, BEASTIE BOYS

O álbum “III Communication” chegou ao 2° lugar da Billboard e pode ser considerado um dos grandes incentivadores do retorno dos Beastie Boys  oriundos de 1984. “Sabotage” se tornou um sucesso pela estética setentista usada pelo cineasta Spike Jonze — até então, exclusivo de videoclipes, muito antes de dirigir os longas “Quero ser John Malkovich” (1999) e “Ela” (2013).

A direção de arte (locação, figurino e fotografia) era diretamente inspirada em seriados como “Hawaii 5-0″ e “Starsky & Hutch – Justiça em dobro”. Mas Jonze foi longe: cenas como a da luta com facas e a da explosão em uma ponte ficaram de fora da versão final da MTV.

2) “SOUR TIMES”, PORTIHEAD

O álbum de estreia da banda britânica, ”Dummy”, é um dos estandartes da trip hop, música eletrônica low-profile que começava a pulular em 1995 (vide Massive Attack e Sneaker Pimps).

O clipe de “Sour times” é um thriller de suspense, com direito a perseguição, interrogatório, drama e assassinato. As imagens usadas no filme musical são uma reedição de um projeto cinematográfico da banda de Bristol, o curta-metragem “To kill a dead man”. Assim como a música, o clipe retrata até onde vazios podem nos levar.

3) “DON’T SPEAK”, NO DOUBT

Apesar de ter sido lançado em 1995, “Don’t Speak” entrou para o sexto lugar de músicas mais tocadas do mundo apenas no ano seguinte. O clipe  que faz alusão ao término de Tony Kanal e Gwen Stefani — é emocionante e pessoal, e fez a equipe de corte viver pesadelos na ilha de edição.

Gwen chorou compulsivamente durante a filmagem e cenas de shows tiveram que ser incluídas para suprir os buracos de produção.

4) “CHAMPAGNE SUPERNOVA”, OASIS

O maior enigma da música de encerramento do disco “(What’s the story) Morning Glory?” é a origem do título. As teorias vão desde uma confusão com a palavra “Bossanova”, título do disco do Pixies, e até uma possível onda proveniente do uso de drogas aliado ao consumo de espumante.

A gente acredita mais que, após um show na Noruega, Liam e Noel Gallagher teriam ficado encantados com um observatório do local, de onde é possível ver uma Supernova. Segundo os dois irmãos em reportagem da época, a tal estrela é da cor do “champagne”.

5) “1979″, THE SMASHING PUMPKINS

Segundo Billy Corgan, “Mellon Collie and the infinite sadness” é um disco com “música psicodélica de uma banda de heavy metal dos anos 1920″. O clipe de “1979″ é inconfundível: enquanto o vocalista do Smashing Pumpkins canta, um grupo de adolescentes se diverte em um parque, alguns rodam dentro de um enorme pneu; outros dirigem pelas ruas de um subúrbio norte-americano.

A ideia lúdica veio pela conexão da sobremesa com uma experiência adolescente. ”Eu tinha 18 anos e dirigia pelas ruas de Illinois em um dia de chuva; eu parei em um sinal de trânsito e vi ali uma conotação de esperar por algo que vai aconteceu. Não é muito glamuroso, mas é sobre ter chegado lá ainda mas estar perto”, filosofou Corgan no programa “Storytellers”, da VH1.

6) “COMMON PEOPLE”, PULP

Quem seria a tal garota grega, estudante de artes da Saint Martins College, que pede ao vocalista Jarvis Cocker que faça ela viver como uma pessoa comum? Recentemente a esposa do ministro das finanças grego, Yannis Varoufakis, foi apontada como a inspiração para a música do Pulp, um dos hinos de empoderamento de classes mais contundentes dentro do brit pop.

O clipe tem estética mod, com modelos dançando em uma pista de dança com chão iluminado, fazendo movimentos robóticos. Em outra cena, Cocker aparece dentro de um carrinho de supermercado e as panorâmicas em steady cam, com o vocalista do Pulp em proporção infantilizada, são uma das cenas que nunca saíram da cabeça da geração MTV Brasil (o trecho foi usado na abertura do “Mtv Hits”). Pois afinal, no supermercado, ninguém presta atenção em você.

7) “SCREAM”, MICHAEL E JANET JACKSON

Em meio à polêmica das acusações sobre pedofilia e toda aquela polêmica que já conhecemos, Michael Jackson convidou a irmã Janet para gravar o single que mandaria muitos recados à mídia mundial.  A letra fala de celebridades em reabilitação e da alarmante perseguição da imprensa sensacionalista.

Em 11 dias de filmagem, foram usadas inúmeras guitarras (Michael quebrou várias até aprovar a cena perfeita) em 11 cenários diferentes (todos indoor, pois o clipe se passa dentro de uma nave espacial). Mas o diretor Mark Romanek (de “Rain”, de Madonna, e “Criminal”, de Fiona Apple) teve bastante dinheiro para se divertir: “Scream” custou 7 milhões de dólares e é o videoclipe mais caro da história, segundo o Guinness.

8) “BORN SLIPPY NUXX”, UNDERWORLD

B-side de um single que não tinha emplacado, a música pulverizou as pistas de música eletrônica quando foi selecionada para entrar para a trilha sonora do filme “Transpotting”, de Danny Boyle.

O título da faixa é uma homenagem ao cachorro com o qual Karl Hyde, do Underworld, ganhou bastante dinheiro em corridas. Embora muita gente pense a “Born slippy” é hino de bêbado, a palavra “cerveja” é repetida diversas vezes (“Shouting: lager, lager, lager…”) porque Hyde diz que, quando perdia a linha, sempre ficava repetindo a mesma coisa.

9)”YOU OUGHT KNOW”, ALANIS MORISSETTE

Recuperando-se de uma separação dolorosa, Alanis incendiou o Grammy daquele ano com uma performance cheia de ira. A inspiração era a relação que viveu com o ex-namorado, Dave Coulier, mas “You oughta know”, segundo ela, não é uma música sobre vingança; trata de libertação.

Filmado em um deserto, o clipe foi gravado logo depois que a cantora canadense assinou com a Maverick, gravadora de Madonna, e boatos dizem que frases amarguradas como “toda noite que arranho com as minhas unhas as costas de outro alguém eu espero que você sinta” são obra da Rainha do Pop. No entanto, não há registros de crédito.

10) “STUPID GIRL”, GARBAGE

Convidada para ser a vocalista de um projeto comercial que nem os roqueiros mais puristas conseguiam torcer o nariz, Shirley Manson escreveu uma música sobre uma mulher manipuladora, fadada a uma vida de superficialidade e ilusão. Em cena, a femme fatale usou um vestido sessentinha que todos queriam ter: “Não tinha grife; comprei por US$ 15 em uma loja de rua na Madison”, disse Shirley à revista Spin.

O diretor Samuel Bayer (de “Smells like teen spirit”, “Bullet with butterfly wings” e “What goes around… comes around”) se inspirou na estética de “Seven”, de David Fincher, e recortou manualmente o negativo. Depois de tomar banho com o filme, raspar e deixar as suas digitais no material, ele colou manualmente todas as peças e o resultado é a obra de arte aqui em cima.

22/01/2015_12:40

por IGOR FIDALGO

Até ontem, o Foo Fighters só tinha se apresentado no Brasil em festivais. Mas com a turnê de “Sonic highway”, álbum mais recente da banda liderada por Dave Grohl, eles fizeram a sua estreia solo no País, com um espetáculo que ebuliu Porto Alegre durante três horas.

Mas quem é fã de FF, já está acostumado com shows longos. Afinal, quem não lembra da lendária apresentação do Lollapalooza de 2012? Se você é um dos esquecidos, relembre assistindo o vídeo abaixo, um achado no YouTube que registra as explosivas 2 horas e meia de performance.

O show em Porto Alegre contou com o mesmo número de canções de 2012 (26), sendo que em “Sonic highway” a banda faz uma série de covers — que, diga-se de passagem, incendiou ainda mais o público de 30 mil pessoas. Para você que estará amanhã no Estádio do Morumbi, montamos um aperitivo histórico: a lista abaixo reúne os clipes originais de músicas de outros ícones do rock que Dave Grohl e cia revisitam nesta turnê.

Em “Cold day in the sun” (música de “In your honor”, de 2006), Dave Grol começa um momentinho jam session e puxa um cover de “Daft Punk is playing in my house”, do LCD Soundsystem.

Em seguida, o baterista Taylor Hawkins toma conta dos vocais e canta “Another one bites the dust”, do Queen.

Depois de um bloco de hits pontuado por “I’ll stick around”, “Monkey wrench” e “Times like these”, o Foo Fighters abre uma série de covers com “Detroit rock city”, do Kiss.

Seguem com “Miss you”, do Rolling Stones (que a ELLUS ama).

Terminam o set de versões com “Under pressure”, mítico dueto de Queen e David Bowie gravado em 1981. Abaixo, o manifesto político que leva a assinatura do antológico diretor de filmes musicais David Millet (vale clicar aqui para checar o currículo do britânico que filmou inúmeros vídeos para Joan Jett, AC/DC, Billy Idol, Erasure e INXS).

Mesmo podendo haver pequenas mudanças, este é o mood do show de amanhã (no Rio de Janeiro, o Foo Fighters se apresenta no domingo; ainda passa por Belo Horizonte na próxima quarta-feira). Para você preparar o coração rock ‘n’ roll, segue o setlist da apresentação de Porto Alegre.

1) “Something from nothing”
2) “The pretender”
3) “Learn to fly”
4) “Breakout”
5) “Arlandria”
6) “Generator”
7) “My hero”
8) “Congregation”
9) “Walk”
10) “Cold day in the sun” (com “Daft Punk is playing at my house” e “Another one bites the dust”)
11) “In the clear”
12) “I’ll stick around”
13) “Monkey wrench”
14) “Skin and bones”
15) “Wheels”
16) “Times like these”
17) “Detroit rock city” (cover)
18) “Miss you” (cover)
19) “Stiff competition” (cover)
20) “Under pressure” (cover)
21) “All my life”
22) “These days”
23) “Rope”
24) “Outside”
25) “Best of you”
26) “Everlong”

22/12/2014_09:00

por IGOR FIDALGO

Então é Natal. Mas para temperar a ceia desta quarta com um pouco da sua personalidade, que tal embalar a noite com “Joel, the lump of coal”, novo hit natalino lançado pelo The Killers, banda que a ELLUS ama?

Os roqueiros de Las Vegas lançam singles especiais de fim de ano há nove anos. A estratégia é divulgada com um videoclipe quase sempre de cunho cômico (à exceção dos delicados “Christmas in L.A.” e “Boots”, e do épico “Joseph”).  Já virou um hábito religioso: esteja o vocalista  Brandon Flowers em hiato sabático para tocar a carreira solo ou a banda dedicada a outros projetos, os rapazes do Killers param tudo, compõem e colocam o hit natalino para venda no iTunes.

Interessante é que o projeto ainda tem cunho social: os singles de Natal do Killers fazem parte da RED, ONG capitaneada por Bono Vox e Bobby Shrive que se alia a grandes nomes da indústria de entretenimento para criar produtos cujas rendas são destinadas a programas anti-AIDS na África.

O site da campanha é muito bacana e inspirador, e neste manifesto você pode saber mais sobre a ONG. A intenção de toda a rede de artistas da RED é zerar o número de recém-nascidos infectados com HIV, valor que já caiu de 1.500 (em 2002) para 650 (2013).

Abaixo, uma retrospectiva com os divertidos clipes natalinos dos meninos do deserto, em ordem retroativa.

2014: “JOEL, THE LUMP OF COAL”

A história de Joel, um pedaço de carvão que vivia no Polo Norte e sonhava em se tornar brinquedo de uma criança, ganha edição em forma de colagem, bem parecida com o que vemos nos personagens secundários da animação “South Park”. Mas um Papai Noel sarcástico decide entregar Joel a uma criança malcriada. Por fim, o pedaço de carvão se torna um diamante, fazendo a alegria do menino. 

O apresentador Jimmy Kimmel empresta a voz ao Mal Velhinho, que no vídeo é retratado por um homem de traje vermelho popular e barbas falsas animado com técnica de quadro-a-quadro. Por conta desta participação, o clipe foi lançado no talk-show de Kimmel, com direito a exibição de cenas exclusivas do apresentador no estúdio com o The Killers.

2013:  ”CHRISTMAS IN L.A.”

Owen Wilson vive um ator que tenta se firmar em Los Angeles e, por ainda não ser bem remunerado na profissão, não consegue voltar para a cidade onde nasceu para passar o Natal com seus pais.

A música é o resultado da parceria do The Killers com a banda de folk-rock californiano Dawes. O diretor Kelly Loosi intercala as cenas melancólicas de Wilson (que reproduzem de forma literal as colocações da  letra) com animações produzidas pelos estudantes da Brigham Young University, instituição instalada nos Estados Unidos.

2012: “I FEEL IT IN MY BONES”

É o terceiro clipe de Natal que conta com a participação do músico Ryan Pardey interpretando Papai Noel (ele também está em “Don’t shoot me Santa” e “A great big sled”). Passa durante uma perturbadora noite de sono, onde os integrantes da banda são assombrados por pesadelos com um Bom Velhinho vingativo.

A fotografia lembra os primeiros filmes de Freddy Krueger na série “A hora do pesadelo” (com sombras coloridas e muita fumaça). Destaque também para a criativa direção de arte: Pardey atravessa o deserto em uma moto decorada por chifres de veado e suas armas são chacos em forma de bengalas doces e granadas disfarçadas de bolas natalinas.

2011: “THE COWBOY’S CHRISTMAS BALL”

Enquanto a letra adaptou o poema de 1890 de William Lawrence Chittenden, trocando a ambientação de Texas para Nevada, o clipe ganhou cores de comédia em ritmo de western spaguetti.

Cowboys ladrões tentam assaltar uma cidade do velho-oeste norte-americano, mas são surpreendidos por dois robôs alienígenas (bem no estilo de “O dia em que a Terra parou”, de 1951). Os ciborgues intergalácticos trazem paz ao lugarejo, dançando break com os moradores da cidadezinha.

2010: “BOOTS”

É o clipe mais tocante de toda a tradição natalina do The Killers. A cena de abertura exibe um trecho do filme “A felicidade não se compra”, de 1946, onde o ator George Bail aparece rezando, em close-up. Em seguida, Brad Prowly, artista de rua nova-iorquino que ficou famoso como Super Bad Brad (que se apresenta no Greenwich Village com um rádio estilo boombox), aparece segurando as fotos da família que um dia teve. Parece que o personagem agora é um andarilho urbano, que mora na rua e não tem mais contato com a mulher e com os filhos.

Aos prantos, agarra a fotografia e decide se emprenhar mais nas performances. Investe todo o dinheiro ganho numa diária em itens natalinos comprados em uma loja de 1 dólar. No fim do clipe, volta para casa e reencontra a família, trajando chapéu de Papai Noel com sacolas cheias de enfeites. De chorar.

Coincidência ou não, Brandon Flowers, que lançara o álbum solo “Flamingo” três meses antes da divulgação oficial de “Boots”, aparece sozinho neste vídeo, que tem a melhor fotografia de toda a série de Natal do Killers.

2009: “¡HAPPY BIRTHDAY, GUADALUPE!”

Esqueça o almofadinha Dylan McKay do seriado “Beverly Hills 90210″ (que foi ao ar no Brasil com o sofrível título “Barrados no baile”). Neste vídeo do Killers, Luke Perry vive um cowboy que é casado com uma mexicana, a Guadalupe. Mas toda vez que ele tem que sair pelo deserto a trabalho, é assombrado por pensamentos melancólicos.

O corpo de baile composto por dançarinas com caveiras mexicanas pintadas no rosto lembra o trabalho da videoartista japonesa Sookoon Ang, em cartaz no Palais de Tokyo, em Paris. Vale googar para saber mais.

2008: “JOSEPH, BETTER YOU THAN ME”

Trechos dos 12 episódios da série televisiva “The living Christ”, de 1951, correspondem a 90% do videoclipe, que é complementado com imagens de vitral, árvores de Natal e velas acesas. Não é um clipe que merece ser visto, mas a música, escrita a seis mãos com Elton John e Neil Tennant, do Pet Shop Boys, vale o play.

Se você gosta de um destes dois astros, saiba que eles dividem também os vocais com Brandon Flowers. Oportunidade única de ver os três ícones compartilhando os microfones.

2007: “DON’T SHOOT ME SANTA”

A letra da música retrata um chat entre Papai Noel e um adolescente que começou a matar pessoas depois sofrer bullying na infância. O resultado videográfico é um dos mais hilários clipes do The Killers, que conta novamente com Ryan Pardey vivendo um Papai Noel psicopata que sequestra Brandon Flowers. Parece que eles têm uma visão bem particular em relação ao Bom Velhinho, não?

Ao longo do filme, Pardey começa a cavar um buraco no meio do deserto de Mojave, na Califórnia (onde o clipe foi filmado) para enterrar o líder do The Killers. Flowers é salvo por Dave Keuning, Mark Stoermer e Ronnie Vannucci Jr., os demais integrantes da banda, que surgem disfarçados de arbusto, no maior estilo pastelão Hanna-Barbera.

É uma graça também o teatro de fantoches que inicia o videoclipe, com versões de Flowers e Pardey em bonequinhos, e o figurino da banda nas cenas de estúdio, onde aparecem tocando a música.

2006: “A GREAT BIG SLED”

Em um estúdio, Brandon Flowers é filmado por uma câmera estilo super-8, com filtro antigo. O clipe é intercortado com imagens tradicionais de Natal, onde os rodies do The Killers retiram instrumentos de um caminhão trajando roupa de duendes. Tem até gente vestida de boneco de neve e Brandon aparece sentado no colo de Ryan “Papai Noel” Pardey. Tudo bem avonts, com cara de filme caseiro que registrou os bastidores, sabe como?

A música conta com vocal de apoio de Toni Halliday, vocalista da banda Curve. Ela é mulher de Alan Moulder, produtor da faixa.

06/12/2014_23:00

por IGOR FIDALGO

Há pouco mais de cinco anos, era o segundo semestre do ano que guardava as melhores surpresas musicais. Free Jazz, Tim Festival, Planeta Terra… Até o Rock In Rio, quando rola por aqui, acontece nesta época do ano. Mas os meses de março nunca foram os mesmos, desde que o Lollapalooza lançou sua edição brasileira.

O line-up de 2015 está quente. Divulgado há duas semanas, segue a tradição de misturar medalhões do rock mundial com talentos emergentes da cena indie. Se você ainda tem dúvidas se deve adiantar o seu ingresso do Lolla (atenção, rockers: o primeiro lote já acabou), nós montamos uma lista com cinco motivos para você se decidir já.

1) THE END IS THE BEGGINING IS THE END

Você é dos que convalesceram pelo fim do Smashing Pumpkins em 2000? Celebre a boa vida de Billy Corgan (único remanescente do grupo original) num dos principais shows do dia 29.

Robert Plant, músico cuja carreira solo nunca alcançou o mesmo eco dos doze anos que cantou à frente do Led Zepellin, toca dia 28 ao lado da banda Sensational Space Shifters. Estamos curiosos!

2) STEADY AS THEY GO

Dois astros que, no papel de produtores musicais, são tidos como midas do mercado fonográfico atual encerram as duas noites do evento no palco principal. O sábado é de Jack White, que parte de nós nutre especial saudade pela fase dos The Reccounteurs, outra parte pelo The Dead Weather, projeto montado com Alisson Mosshart (do The Kills). No entanto, não há quem não seja grato pelo The White Stripes ter embalado nossas vidas por felizes 14 anos.

No domingo, dance feliz da vida com Pharrel Williams, o gênio que lançou um dos álbuns mais inventivos de 2014 (“Girl”), além de ser o nome por trás de recentes hits de Justin Timberlake, Madonna e Daft Punk.

3) BEST FRIENDS

Nunca é demais assistir de novo The Kooks (que estiveram por aqui em 2009), Interpol (cuja última passagem pelo Brasil data de 2011), Foster The People (ovacionados no Lolla de 2012) e Kasabian (que deixou todo mundo na vontade no Planeta Terra do mesmo ano, quando cancelaram a participação por motivo de doença).

Momento Last.FM: Se você gosta destas bandas acima, deve ficar de olho em Bastille, Kongos, St. Vicent (foto), Marina and the Diamonds e Alt-J, inéditos no Brasil.

4) FOLK-SE EM PORTUGUÊS

Amantes do folk deveriam prestar mais atenção na música fofinha que é feita por aqui. A Banda do Mar, que conta com Mallu Magalhaes, Marcelo Camelo e Fred Pinto Ferreira, toca no mesmo dia que a Baleia (foto), que se lançou com Maria Isabel Jobim no vocal. Mas a filha de Tom saiu do grupo para ganhar vida solo e eles seguiram fazendo versões bossa de hits gringos (“Toxic” em ritmo cabaré merece a sua busca no YouTube).

O (bom) cruzamento de Jupiter Maçã e Pink Floyd que os psicodélicos brazucas do Boogarins fazem rendeu a eles mais de 150 shows este ano. No passaporte da banda, carimbos de Estados Unidos, Itália, França, Bélgica, Inglaterra e Portugal.

5) HEY-HEY, YOU: WHAT’S THAT SOUND?!

A turma afeita de música eletrônica está bem servida. Chemical Surf, embora tenha um nome pra lá de lisérgico, tem um som supermaduro. Quem costuma fazer o fino nas baladas de deep house, vai fazer gosto.

A garotada vai curtir ver Skrillex de novo, que toca no Lolla pela segunda vez. Recentemente, Sonny John Moore (nome de batismo do DJ de dubstep) chamou atenção de Madonna (com Skrillex, na foto acima). Há boatos que ele produziu faixas para o novo CD da Rainha do Pop. Quem gosta de Skrillex, deve conhecer também o Vintage Culture, que retempera a clássica miami bass com etnias dançantes.

17/10/2012_20:30

A jaqueta leather denim já é um item essencial no guarda-roupa da mulher deluxe, deixa o visual super moderno e estiloso. Olha que incrível a nossa cartela de cores, queremos todas!

 

Confira todas as opções na Ellus Online Store