Arquivo da tag: rock

08/04/2016_10:00

Há uma essência indescritivelmente identificável no rock clássico. O que constitui a alma desse  estilo musical, especificamente, não sabemos, mas provavelmente tem algo a ver com a familiaridade: desde vocais inesquecíveis até os riffs de guitarra.

Com o poder de amplificar mares de pessoas, o rock tradicional, que existe do período dos anos 50 aos anos 80 — e timidamente nos anos 90 —  é uma celebração das músicas que todo mundo conhece e dificilmente desgosta.

De acordo com o blog musical FiveThirtyEight, artistas consagrados como Led Zeppelin, Aerosmith e Rolling Stones compõem 50% das faixas tocadas em estações de rock clássico americanas.

Na playlist dessa semana, nenhum mestre foi deixado de fora: AC/DC, The Who, Alice Cooper, The Doors, Pink Floyd e Black Sabbath dividem espaço com Queen, Jimi Hendrix, The Police, Guns N’ Roses e The Clash. Então não tenha dúvidas: aperta o play e curte a playlist mais deliciosa e democrática que você vai encontrar hoje.

22/03/2016_17:00

Uma t-shirt com temática de rock ‘n’ roll é uma forma de sinalizar para o mundo o seu gosto musical. Capas de discos, imagens icônicas e outros cool designs ilustram as estampas da nossa popular linha Rock Tees.

Temporada após temporada, a diretora de estilo Adriana Bozon reproduz t-shirts de rock especialmente para um público moderno e antenado adquirir. No processo de criação das mesmas, garante-se que o resultado final fique equiparado à essência do rock: com um visual desbotado e detonadinho.

É por essas e outras que você não vai encontrar rocker t-shirts como as da ELLUS em nenhum outro lugar. Embora muitas das estampas sejam clássicas para preservar o espírito do rock lendário, as Rock Tees são uma explosão de criatividade e originalidade, além de unirem a estética rockeira com um estilo impecável. Afinal, a melhor coisa é conseguir expressar sua personalidade através do que se veste!


Clique aqui para comprar essa t-shirt na Online Store.


Clique aqui para comprar essa t-shirt na Online Store.


Clique aqui para comprar essa t-shirt na Online Store.


Clique aqui para comprar esse moletom na Online Store.


Clique aqui para comprar essa t-shirt na Online Store.

23/12/2015_10:00

,

por ANDRÉ PEREZ

O Natal está quase aí e, para entrar no clima, os nossos parceiros da Tecla Music fizeram uma playlist incrível de músicas natalinas. Já contamos aqui que a Tecla é a responsável pela música que você ouve em todas as ELLUS espalhadas pelo Brasil, mas o que talvez vocês não saibam é que a agência de branding musical tem um faro para resgatar músicas que a gente ama!

A nossa playlist natalina tem Beatles, Ramones, Julian Casablanca e Beach Boys — só para citar alguns highlights — e mescla canções das mais diferentes décadas. “Mistress for Christmas”, do AC/DC, por exemplo, data dos anos de 1990 enquanto “Marry Christmas Baby”, dos Beach Boys, remonta a 1964.

Sempre em dezembro, a banda americana The Killers lança canção natalina com videoclipe e destina a venda do single à instituição social RED (já falamos disso aqui). Em 2015, eles comemoram 10 anos deste projeto com “Dirt sledding”, mas a música escolhida pela Tecla para integrar o nosso mix foi “A great big sled”, de 2006, um dos clipes mais  divertidos de todo o compêndio natalino da banda de Las Vegas.

Mais curiosidades: “I wish it was Christmas today”, de Julian Casablancas, foi composta originalmente para o programa de comédia americano Saturday Night Live; a regravação de “Alone on Christmas day” do Phoenix foi produzida para “A very Murray christmas”, filme natalino de Sophia Coppola com Bill Murray que acaba de estrear no Netflix; “The Christmas song” é a música mais recente do do duo dinamarquês The Ravonettes.

Não deixe de ouvir “Last Christmas”, canção de 1984 do Wham! que, para nós do Sala ELLUS é tão icônica quanta “Santa Claus is coming to town“, que incluímos na voz de Bruce Springsteen. 

Pode agradecer: demos um motivo e tanto para você se tornar o centro das atenções na sua ceia de Natal. Nem precisa dizer que fomos nós quem motamos. Aperta o play!

27/09/2015_02:07

por ANDRÉ PEREZ

A noite de ontem confirmou que esse Rock in Rio veio para quebrar recorde de cabeludos, rodinhas e bate-cabeça no gramado do festival. Dos sete dias de festa, nada menos do que três foram dedicados ao rock pesado. E a noite final do metal teve, como principal astro, o Slipknot.

Os mascarados fizeram um show completo, com tudo que uma grande produção tem direito: chuva de confetes, pirotecnia, efeitos especiais e um público histérico e entregue. Um dos momentos mais marcantes foi em “Spit It Out”, quando, do palco, os metaleiros de Iowa conseguiram fazer com que a multidão sentasse no chão e desse um pulo coletivo.

Os 90 minutos de show do Slipknot foram, sem duvida nenhuma, o ponto alto da noite que ainda teve, no palco principal, Faith no More, Mastodon e De La Tierra. Esse último — um supergrupo de metal latino, com Andreas Kisser (Sepultura) na guitarra, o mexicano Alex Gonzaléz (Maná) na bateria e os argentinos Sr. Flávio (Fabulosos Cadillacs) no baixo e Andres Gimenez (A.N.I.M.A.L.) no vocal e também na guitarra — abriu a noite e, apesar do gramado esvaziado, conseguiu animar o público. Com um setlist cheio de composições originais em espanhol, a banda também arriscou um cover de “Polícia” dos Paralamas do Sucesso.

A reação de grande parte do público para o Mastodon e para o Faith No More deixou claro que a maioria estava mesmo era ansiosa para o Slipknot. Isso não impediu ambas as bandas de fazerem shows bons, apesar de que a apresentação do Faith No More foi ofuscada pela queda do vocalista Mike Patton. Ao tentar se jogar na platéia, Patton acabou caindo na fossa que separava o palco da multidão. Apesar do susto, ele se mostrou enormemente profissional e continuou o show até o fim.

No Sunset, o Nightwish fez um show digno de Palco Mundo. Só o Slipknot, a grande atração do palco principal, causou tanta comoção e gritaria na multidão. A banda finlandesa teve o conterrâneo Tony Kakko, vocalista do Sonata Antartica, como convidado especial.

Apesar do Sepultura, figurinha carimbada do Rock in Rio, não ter se apresentado este ano, os integrantes do grupo estiveram bastante presentes no festival. Além de Andreas Kisser aparecendo em duas noites de metal, Derrick Green, o atual vocalista da banda, foi o convidado especial da banda Moonspell no Palco Sunset.

Depois de muita pauleira, hoje o clima muda para o pop. Faltando apenas dois dias para o fim do festival, as grandes atrações de sábado e domingo serão as divas Rihanna e Katy Perry. Fique de olho que amanhã te contamos tudo!

09/07/2015_12:37

por CLÉO SANTIAGO E IGOR FIDALGO

1995 foi um ano muito importante para o mundo. Foi quando o russo Valeri Polyakov quebrou o recorde de tempo fora da Terra (437 dias no espaço) e quando Mike Tyson voltou aos ringues e nocauteou Peter McNeley. No Brasil, nasciam Marina Ruy Barbosa e Bruna Marquezine, e “Malhação” estreava na Rede Globo. A gente começava a criar uma íntima ligação com informática e a Microsoft nos brindou com o então inovador Windows 95.

Falando em tecnologia, foi também em 1995 que o mecanismo de busca Yahoo foi criado (sistema que usaríamos até o boom do Google, no começo dos anos 2000). O Yahoo facilitou a nossa consulta a letras de música e discografia de bandas que só podíamos ouvir no rádio (o Napster só seria inventando em 1999). Vivíamos momento de êxtase: álbuns históricos, como “Jagged little pill” (de Alanis Morissette), “These days” (do Bon Jovi), “(What’s the story) Morning glory?” (do Oasis), “Daydream” (da Mariah Carey), “One hot minute” do Red Hot Chilli Peppers, e “Mellon Collie and the infinite sadness” (do Smashing Pumpkins), estavam sendo lançados.

Foi ainda um ano de coletâneas. Enquanto Michael Jackson (ainda vivo) revisitava a sua carreira com “HIStory”, o Queen lançava o álbum póstumo “Made in heaven” e Madonna tentava abafar o escândalo do livro de porn art “SEX” compilando todas as suas baladas, de “Crazy for you” a “Take a bow”, dentro do lendário “Something to remember”.

Acreditando que o ano de 1995 foi muito importante para a cultura pop, Sala ELLUS listou 10 videoclipes que estão fazendo 20 anos em 2015. Aumente o som e tire as crianças da sala — afinal de contas, elas não vão conhecer nenhuma música.

1) “SABOTAGE”, BEASTIE BOYS

O álbum “III Communication” chegou ao 2° lugar da Billboard e pode ser considerado um dos grandes incentivadores do retorno dos Beastie Boys  oriundos de 1984. “Sabotage” se tornou um sucesso pela estética setentista usada pelo cineasta Spike Jonze — até então, exclusivo de videoclipes, muito antes de dirigir os longas “Quero ser John Malkovich” (1999) e “Ela” (2013).

A direção de arte (locação, figurino e fotografia) era diretamente inspirada em seriados como “Hawaii 5-0″ e “Starsky & Hutch – Justiça em dobro”. Mas Jonze foi longe: cenas como a da luta com facas e a da explosão em uma ponte ficaram de fora da versão final da MTV.

2) “SOUR TIMES”, PORTIHEAD

O álbum de estreia da banda britânica, ”Dummy”, é um dos estandartes da trip hop, música eletrônica low-profile que começava a pulular em 1995 (vide Massive Attack e Sneaker Pimps).

O clipe de “Sour times” é um thriller de suspense, com direito a perseguição, interrogatório, drama e assassinato. As imagens usadas no filme musical são uma reedição de um projeto cinematográfico da banda de Bristol, o curta-metragem “To kill a dead man”. Assim como a música, o clipe retrata até onde vazios podem nos levar.

3) “DON’T SPEAK”, NO DOUBT

Apesar de ter sido lançado em 1995, “Don’t Speak” entrou para o sexto lugar de músicas mais tocadas do mundo apenas no ano seguinte. O clipe  que faz alusão ao término de Tony Kanal e Gwen Stefani — é emocionante e pessoal, e fez a equipe de corte viver pesadelos na ilha de edição.

Gwen chorou compulsivamente durante a filmagem e cenas de shows tiveram que ser incluídas para suprir os buracos de produção.

4) “CHAMPAGNE SUPERNOVA”, OASIS

O maior enigma da música de encerramento do disco “(What’s the story) Morning Glory?” é a origem do título. As teorias vão desde uma confusão com a palavra “Bossanova”, título do disco do Pixies, e até uma possível onda proveniente do uso de drogas aliado ao consumo de espumante.

A gente acredita mais que, após um show na Noruega, Liam e Noel Gallagher teriam ficado encantados com um observatório do local, de onde é possível ver uma Supernova. Segundo os dois irmãos em reportagem da época, a tal estrela é da cor do “champagne”.

5) “1979″, THE SMASHING PUMPKINS

Segundo Billy Corgan, “Mellon Collie and the infinite sadness” é um disco com “música psicodélica de uma banda de heavy metal dos anos 1920″. O clipe de “1979″ é inconfundível: enquanto o vocalista do Smashing Pumpkins canta, um grupo de adolescentes se diverte em um parque, alguns rodam dentro de um enorme pneu; outros dirigem pelas ruas de um subúrbio norte-americano.

A ideia lúdica veio pela conexão da sobremesa com uma experiência adolescente. ”Eu tinha 18 anos e dirigia pelas ruas de Illinois em um dia de chuva; eu parei em um sinal de trânsito e vi ali uma conotação de esperar por algo que vai aconteceu. Não é muito glamuroso, mas é sobre ter chegado lá ainda mas estar perto”, filosofou Corgan no programa “Storytellers”, da VH1.

6) “COMMON PEOPLE”, PULP

Quem seria a tal garota grega, estudante de artes da Saint Martins College, que pede ao vocalista Jarvis Cocker que faça ela viver como uma pessoa comum? Recentemente a esposa do ministro das finanças grego, Yannis Varoufakis, foi apontada como a inspiração para a música do Pulp, um dos hinos de empoderamento de classes mais contundentes dentro do brit pop.

O clipe tem estética mod, com modelos dançando em uma pista de dança com chão iluminado, fazendo movimentos robóticos. Em outra cena, Cocker aparece dentro de um carrinho de supermercado e as panorâmicas em steady cam, com o vocalista do Pulp em proporção infantilizada, são uma das cenas que nunca saíram da cabeça da geração MTV Brasil (o trecho foi usado na abertura do “Mtv Hits”). Pois afinal, no supermercado, ninguém presta atenção em você.

7) “SCREAM”, MICHAEL E JANET JACKSON

Em meio à polêmica das acusações sobre pedofilia e toda aquela polêmica que já conhecemos, Michael Jackson convidou a irmã Janet para gravar o single que mandaria muitos recados à mídia mundial.  A letra fala de celebridades em reabilitação e da alarmante perseguição da imprensa sensacionalista.

Em 11 dias de filmagem, foram usadas inúmeras guitarras (Michael quebrou várias até aprovar a cena perfeita) em 11 cenários diferentes (todos indoor, pois o clipe se passa dentro de uma nave espacial). Mas o diretor Mark Romanek (de “Rain”, de Madonna, e “Criminal”, de Fiona Apple) teve bastante dinheiro para se divertir: “Scream” custou 7 milhões de dólares e é o videoclipe mais caro da história, segundo o Guinness.

8) “BORN SLIPPY NUXX”, UNDERWORLD

B-side de um single que não tinha emplacado, a música pulverizou as pistas de música eletrônica quando foi selecionada para entrar para a trilha sonora do filme “Transpotting”, de Danny Boyle.

O título da faixa é uma homenagem ao cachorro com o qual Karl Hyde, do Underworld, ganhou bastante dinheiro em corridas. Embora muita gente pense a “Born slippy” é hino de bêbado, a palavra “cerveja” é repetida diversas vezes (“Shouting: lager, lager, lager…”) porque Hyde diz que, quando perdia a linha, sempre ficava repetindo a mesma coisa.

9)”YOU OUGHT KNOW”, ALANIS MORISSETTE

Recuperando-se de uma separação dolorosa, Alanis incendiou o Grammy daquele ano com uma performance cheia de ira. A inspiração era a relação que viveu com o ex-namorado, Dave Coulier, mas “You oughta know”, segundo ela, não é uma música sobre vingança; trata de libertação.

Filmado em um deserto, o clipe foi gravado logo depois que a cantora canadense assinou com a Maverick, gravadora de Madonna, e boatos dizem que frases amarguradas como “toda noite que arranho com as minhas unhas as costas de outro alguém eu espero que você sinta” são obra da Rainha do Pop. No entanto, não há registros de crédito.

10) “STUPID GIRL”, GARBAGE

Convidada para ser a vocalista de um projeto comercial que nem os roqueiros mais puristas conseguiam torcer o nariz, Shirley Manson escreveu uma música sobre uma mulher manipuladora, fadada a uma vida de superficialidade e ilusão. Em cena, a femme fatale usou um vestido sessentinha que todos queriam ter: “Não tinha grife; comprei por US$ 15 em uma loja de rua na Madison”, disse Shirley à revista Spin.

O diretor Samuel Bayer (de “Smells like teen spirit”, “Bullet with butterfly wings” e “What goes around… comes around”) se inspirou na estética de “Seven”, de David Fincher, e recortou manualmente o negativo. Depois de tomar banho com o filme, raspar e deixar as suas digitais no material, ele colou manualmente todas as peças e o resultado é a obra de arte aqui em cima.