Arquivo da tag: cauã reymond

16/10/2015_11:47

por MARAYSA FIGUEIREDO

Vimos ontem que a história da ELLUS e do SPFW estão mais que ligadas: desde o início do evento, a ELLUS esteve presente. Lá se vão 21 anos de muita moda e parceria. Hoje vamos relembrar como foram verões e invernos de 2008 até hoje.

Pegue seu lencinho, pois emoção não falta nessa “sessão nostalgia”:


Muito rock e esporte para celebrar o verão de 2008. A parka aparece como a peça queridinha da estação. Já no inverno do mesmo ano, a estação Julio Prestes recebeu a coleção, com direito a chegada das modelos em trem com buzina e tudo. O  tema de “Urban Knights” e as sobreposições marcaram o desfile.

O fundo do mar inspirou o verão de 2009 e de repente a sala de desfile virou um aquário para receber a coleção “Underwater”. Os modelos Grabiel Grandi, Jéssica Brandi e Kelly nadavam felizes no aquário de 12 metros de altura, 2 metros de profundidade e 2 metros de largura.

Agyness Deyn deu as boas vindas ao nosso inverno, que teve como tema os operários dos subúrbios londrinos. O couro foi o destaque desta coleção.

 Motoqueiros usando jeans de lavagem clarinha e vestidos com shapes fluidos, que eram acompanhados por jaquetas cropped deram o tom do verão 2010, que teve Cintia Dicker exibindo toda a sua ruivisse na passarela. Já o inverno contou com a presença de Jesus Luz, abusando em tons escuros, na coleção que recebeu o nome de “proteção”.

O verão 2011 veio bem no mood praiano: tinha crochê, estampas, tudo muito confortável, com direito a alpargatas coloridas. Prints florais para eles foram o  ponto alto. O jeans, claro, não foi esquecido e deu o ar da graça em camisas. Novidades mil no inverno 2011: nada de modelos e passarela. No lugar, um projetor e um telão, onde toda a coleção passou diante dos olhos de jornalistas, como um sessão de cinema. Urbana, a coleção veio em tons de branco, prata e preto, provando que a modernidade batia à porta.

No verão 2012 teve Aline Weber, teve banda e muita festa! Tons claros se integravam ao streetwear que é parte do nosso DNA. Já o inverno foi de rock e couro, cheio de detalhes onde Aline Weber mais uma vez arrebentou!

Um mergulho noturno no verão 2013 para a coleção “Night Diving”, onde efeitos metalizados aparecem até no couro. No inverno, clima fetichista  no tema “Police”, que tinha transparências, fendas, botas e uma algema moderna, com corrente ligando o pescoço ao pulso.

Uma viagem de moto pela Índia foi a inspiração para o verão 2014, onde os tons terrosos apareciam em sedas e organzas metalizadas. A top Lindsey Wixson abriu o desfile com uma das estampas queridinhas da coleção: um floral camuflado que deu o que falar.

Diretamente do Salão Nobre do Theatro Municipal, a nossa diretora criativa Adriana Bozon tinha um desafio: apresentar o jeans de uma maneira nova. A inspiração eram os esportes de montanha, o guarda-roupa clássico do lenhador e Japão, principalmente o jeans bruto característico dos japoneses. Assim foi o inverno 2014!

No verão 2015, que teve Cauã Reymond na passarela, a mistura de materiais como o natural e o sintético, o artesanal e o industrial foram o ponto de partida para a coleção sportswear. O inverno 2015 comemorou nossos 42 aninhos e a inspiração foi o filme “The Warriors” e as gangues de rua. Preto, branco, cinza, verde limão (que  apareceu nos desejado coturnos!), pink, dourado e caramelo foram as cores da estação, que tinha até patchwork de pele de cobra.

Chegamos ao verão 2016 com Marrakech como pano de fundo para uma mulher contemporânea, que viaja e traz absorvidas em si todas as culturas que conhece. O Marrocos fez com que a passarela se transformasse em tapeçaria e as peças apareceram cobertas de ouro e areia, cores principais da coleção, que teve Carol Trentini como musa.

Não foi uma delícia relembrar todos esses momentos da trajetória da Ellus no SPFW?Agora que a sessão nostalgia acabou, preparem seus casaquinhos, pois o inverno vem ai… O que será que ele nos aguarda? Confira em breve no Sala Ellus tudo sobre a próxima coleção.

07/09/2015_10:00

por RAISA CARLOS DE ANDRADE

Se existe um ponto no qual o País alcançou sua independência e permanece com devoção, este é a cultura. Celebramos a nossa liberdade com quem não deixa de alavancar o Brasil e faz ver que, em tempos atuais, podemos tentar ignorar assuntos pesados relacionados à crise quando nos debruçamos nos nossos valores artísticos.

A seguir, sete nomes para afastar qualquer saudosismo. Em comum, o talento e aquela estranha mania de ter fé na vida para entender o momento exato de apostar. Diante do clamor pelo “Independência ou Morte” declarado há exatos 193 anos, seguimos brasileiramente firmes quando se trata de mentes culturais que criam.

MÚSICA: Alice Caymmi

O sobrenome imponente não é nenhuma novidade. Neta de Dorival, sobrinha de Nana e Dori e filha de Danilo, Alice herdou a potência vocal da família e, em “Rainha dos Raios”, seu segundo e iconoclasta álbum, consegue aferir sobre arte, politeísmo e amor com a sua música e a sua imagem.

Nada a comprime: possui opiniões fortes até mesmo em entrevistas, maquiagem marcada e corpo que quebra regras em meio a uma ditadura de beleza sem fim. A verdade é que Alice deixa os limites distantes do que foi prescrito e essa mistura, que foge da delicadeza, é a principal razão pela qual Paulo Borges tenha se encantado a ponto de ser o diretor artístico desta turnê.

PRESTE ATENÇÃO: Nas releituras em samba-canção e bolero eletrônico que ela faz de “Princesa”, hit funk noventista de MC Marcinho, e “Meu mundo caiu”, hino da fossa imortalizado por Maysa, respectivamente (clique nos nomes das músicas para ouvi-las no Spotify). 

CINEMA: Karim Aïnouz

O cineasta de origem argelina é o nome por trás de “Madame Satã” (2002), “O céu de Suely” (2002) e, o mais recente deles, “Praia do Futuro”. O filme de 2014 se tornou assunto ao colocar Wagner Moura vivenciando um romance com o ator alemão Clements Schick e, no lançamento, Aïnouz sabia o quanto este debate seria pertinente. Pois afinal, vivemos um tempo em que a morte de um homossexual a cada 28 horas ainda é uma realidade no Brasil.

Nascido em Fortaleza, o diretor e roteirista hoje se divide entre suas origens, São Paulo e Berlim e, talvez por isso, “Praia do Futuro” (cuja resenha completa no jornal online The New Frame Post merece ser lida) vale também pela impecável direção de arte oitentista e por “Helden”, versão em alemão de “Heroes”, de David Bowie, ser a música-tema.

PRESTE ATENÇÃO: Em “Viajo porque preciso, volto porque te amo”, filme de 2009 alavancado pelo clima contemplativo que por, muito tempo, esteve presente em tudo que o diretor fez. E fique ligado também no seu projeto mais recente, estartado em março desse ano, “Velázquez ou o realismo selvagem”.

ARTE: Mauricio Ianes

O artista plástico santista é formado pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e sempre se interessou por diversos campos na cultura. Na moda, foi diretor criativo da extinta Zapping, consultor de estilo de Walter Rodrigues e, desde o icônico desfile de formação de Alexandre Herchcovitch na Faculdade Santa Marcelina em 1993, colabora em styling e branding nos desfiles e campanhas do estilista paulistano.

Nas artes, Ianes já participou de dez exposições, entre mostras individuais e coletivas. Após residências artísticas na Cité Internacionale des Arts, em Paris e no Quartier 21, em Viena, levou dois de seus projetos à Bienal de Arte de SP, sendo uma instalação, questionando o papel do público na comunicação da arte, e uma performance, na qual caminhou nu por duas semanas em um andar vazio do prédio.

PRESTE ATENÇÃO: Agenciado pela Galeria Vermelho, de São Paulo, Ianes integra anualmente a programação do Verbo, festival internacional de performance, e foi um dos artistas brasileiros inseridos na residência de Marina Abramović no Sesc Pompéia (veja vídeo de uma de seus apresentações aqui).

MODA: Helô Rocha

Após anos à frente da Têca, a estilista Helô Rocha declarou morte da sua marca original para, em seguida, dar luz a duas grifes batizadas com seu nome e sobrenome. Dividida entre as linhas Helô Rocha Black, especializada em moda couture, e Helô Rocha White, para looks casuais, Helô continua investindo na estamparia como o seu ponto de convergência.

Ela está no time dos estilistas ao que o Brasil está atento e sua primeira campanha na nova marca (com styling de Daniel Ueda) deixou isso bem claro. Aberta ao que acontece no mundo, extrai a essência do que é moda e aplica de um jeito funcional para quem entende o quanto é bom ser daqui.

PRESTE ATENÇÃO: Neste novo momento de carreira, Helo Rocha, que já é membro afetivo da família ELLUS há algum tempo, participará de uma ação especial que montaremos em algumas semanas. Aguardem ;-)

TELEVISÃO: Cauã Reymond

Há quem se esqueça que Cauã Reymond surgiu na TV em “Malhação”. Em 12 anos de carreira, foram mais de 20 personagens, sendo dez deles em longa-metragens, ganhando confiança de diretores para projetos mais densos e maduros. O primeiro contato com a atuação surgiu no final dos anos 1990, quando fez seu primeiro curso de atuação enquanto trabalhava como modelo em Nova York.

Bem antes de se tornar um dos rostos mais fortes do Brasil, já posava para lentes de fotógrafos como Bruce Weber, Mario Testino, Terry Richardson e Karl Lagerfeld. Sem abandonar de vez a moda, que vez ou outra surge (como você sabe, ele é o rosto da ELLUS há três estações), Cauã agora se prepara para o mais maduro de seus projetos: sua estreia como diretor no longa “Azuis”, em parceria com Mario Canivello.

PRESTE ATENÇÃO: No primeiro protagonista de Cauã em uma novela das 21h da TV Globo. Ele estreou como Juliano há uma semana em “Regra do jogo” e será o vingador da nova trama do diretor João Emmanuel Carneiro (do marco “Avenida Brasil”, de 2012).

LITERATURA: Clara Averbuck

A escritora está entre os nomes que desmistificam o feminismo no Brasil. É um dos baluartes da geração 2.0 da internet, com um blog que mudou a forma que as mulheres eram percebidas no cyberespaço. Autodidata, sempre odiou a escola e não durou um semestre nas faculdades de Jornalismo e Letras.

Entretanto, teve foco para publicar cinco livros, ser colunista e movimentar a internet falando de uma forma clara sobre o quanto opiniões machistas precisam ser desconsideradas com urgência. Seus escritos são considerados literatura de consumo, com influências da subcultura pop. E se, para muitos, a ideia do pop é um fator de descredibilidade, a obra de Clara vem despertando cada vez mais interesse de diretores de teatro e cinema.

PRESTE ATENÇÃO: Assista “Nome próprio”, longa de Murilo Salles de 2007 que usou como referência três livros de Clara (que acabou sendo escalada para a produção). Protagonizado por Leandro Leal, o filme tem trailer disponível no YouTube.

NOITE: Facundo Guerra

Com personalidade low profile graças a timidez desmedida, Facundo Guerra se tornou o principal agitador cultural da noite paulistana. Proprietário do Grupo Vegas, o empresário hoje emprega 300 funcionários nos bares Z Carniceria, Volt e Riviera, e nos clubes Lions, Yatch e Cine Joia.

Sem ter tempo de aproveitar nem mesmo o mais novo dos seus espaços, Facundo ignora riscos e investe o lucro em um próximo. Seu plano é aumentar a lista com quase dez novos empreendimentos em dois anos. Dois deles já estão em obras: uma casa de shows onde ficava o Aeroanta, no Largo do Batata, e o Museu do Agora, espaço de cultura nas proximidades da Avenida Paulista. A ideia de Facundo é continuar, o que faz com que muita gente não pare. Ainda bem.

PRESTE ATENÇÃO: Ele inaugurou em 17 de agosto o espaço multidisciplinar Mirante de 9 de Julho, que ficou 78 anos sem uso. O lugar reúne galeria, música, cinema e gastronomia, tudo ao ar livre.

03/09/2015_11:43

Vem direto de Marrakech, cidade do Marrocos que deságua o lado mais exótico da cultura muçulmana, a magia da nossa nova coleção de verão 2015. 

Instalada entre o deserto do Saara e da África, onde os termômetros passam longe dos 40° graus, a cidade foi uma intensa inspiração criativa para criarmos para a estação mais quente do ano.

Este movimento globetrotter começou em fevereiro, quando Adriana Bozon e a sua equipe de estilo seguiram rumo ao norte da África.

Encantados com os Tuaregs e com os Berberes, trouxeram referências étnicas e tribais para o nosso verão, cujas principais tendências, como de costume, são desfiadas no Jornal ELLUS (que chega à sua quinta edição; rufem os tambores darboukas, merci beaucoup).

Como bem escreve a nossa diretora de criação no editorial que aparece na página 4, o foco da mulher ELLUS nesta estação é reproduzir uma sofisticação viajante. E quem melhor do que a top Carol Trentini, musa da ELLUS há boas temporadas, para personificar esta mulher do mundo? 

Junto com ela, Cauã Reymond, rosto da ELLUStrês coleções. Clicada novamente por Marcelo Krasilcic — nosso parceiro de longa data que, dentre outras campanhas, fotografou Cauã na Joatinga no verão passado e a atriz americana Chloë Sevigny em 2007 —, Marrakech Journey contou com o styling de Michael Vendola e beleza de Robert Estevão.

Se você quer mais detalhes das roupas, pense nas construções marroquinas em tons de rosa ocre  (vem daí o apelido de “cidade-vermelha”), passando pelos majestosos Jardin Majorelle (da onde vem o mood azul de parte da nossa coleção) e desemboque nos souks, mercados com uma diversidade sem fim de produtos regionalistas.

A exuberância do oriente aparece no prints metalizados que deixaram nossas t-shirts ainda mais cheias de bossa. Aplicações folheadas em tons de ouro refinam a peça que é o uniforme do dia a dia de qualquer mulher viajada — seja ela baseada em São Paulo, Nova York, Paris ou Marrakech.  Nos acessórios, destaque para o tressê de leather denim em sandálias e bolsas.

[

A ELLUS Limited, linha que reproduz comercialmente as peças de desfile que mais atraíram suspiros na passarela, prioriza seda, couro e chamois, tudo fazendo alusão às amarrações e às placas metalizadas que fazem a fama fashion dos berberes.

Presentes em tops e saias de seda, torções estratégicas fazem referência aos nós de turbantes desta mesma tribo, mantendo uma constante memória étnica nos itens cosmopolitas e refinados da linha limitada. Para arrematar, pulseiras feitas com correntes grossas e demais acessórios com gizos.

Lembra o final apolínico do desfile da São Paulo Fashion Week? A apresentação integralmente feminina foi concluída com uma horda de modelos barbudos trajando looks em total camel.

Está explicado: o grand finale foi idealizado para valorizar a renovação da Ellus Jogging Denim, a calça mezzo jeans, mezzo moletom lançada no inverno passado que agora chega em tons de caqui.

Não espere mais: carimbe o seu passaporte para a nossa Marrakesh Journey acessando agora a Online Store da ELLUS. E entenda ainda mais sobre o processo criativo para conceituação desta coleção assistindo ao making of acima.

Não se preocupe se for acometido por uma necessidade de viajar urgentemente ou consumir imediatamente. Desejos devem ser vividos sem culpa, sem medo e sem jet lag. E este é mais um ponto de convergência entre a ELLUS e Marrakesh.

07/07/2015_14:15

Este post é para você que não tira da cabeça a imagem de Carol Trentini usando vestido de franjas com print pink grafitti e coturnos no nosso desfile de inverno 2015 na São Paulo Fashion Week. É também para você, que sonha em se movimentar com a mesma flexibilidade de Cauã Reymond nas fotos da nossa campanha que ele está usando o Ellus Jogging Denim. É, sobretudo, para você, que deseja urgentemente uma das nossas it-bags que, estação e estação, confirmam que a linha Ellus Acessories veio para ficar.

Para todos vocês, fashionistas, a mensagem é direta: a ELLUS está em sale! Seguindo o já tradicional formato de descontos progressivos (aquele que, quanto mais você compra, mais barato fica), estamos com os produtos da Online Store e das nossas 67 lojas físicas remarcados.

Funciona assim: comprando dois itens, o desconto é de 20%; três, 30%; quatro, 40%; levando cinco ou mais produtos, a sua compra sai pela metade do preço. Bom demais, fala a verdade?!

Breaking news: atualizamos este post para informar que, nos finais de semana, a ELLUS está promovendo descontos surpresas em tipos de produtos específicos. Nesse sábado, os vestidos estavam 60% off. Desculpa não termos avisado, mas foi algo feito meio de surpresa mesmo, para surpreender todo mundo. Mas avisamos: nesta quarta (dia 8 de julho), as peças com Pink Grafitti ficarão 60% mais baratas!

Fique ligado no nosso Instagram para saber mais detalhes. E boas compras!

24/03/2015_14:22

por ALEXIA CHLAMTAC

As jogging pants — calças de moletom com elástico na cintura e na barra — surgiram na década de 1980 e são uma marca da geração sporty. O motivo disso, é claro, era o conforto proporcionado pela peça, que foi inspirada nas modelagens da época. Em 2010, as calças de academia começaram a ser resgatadas em desfiles internacionais, mas a fama instantânea veio quando personalidades como Katie Holmes e Gwen Stefani passaram a usá-las com sandálias e botas luxuosas. Nesta ocasião, foram rebatizadas como sweatpants.

Agora imagine a sensação confortável de usar um moletom, mas com aparência e durabilidade do jeans? Não precisa imaginar: a jogging denim é a principal novidade do inverno 2015 da ELLUS.

Indo de encontro com a febre esportiva que toma conta da moda mundial — que pedem por uma vida mais prática e moldada à velocidade do século 21 —, o interior da nossa jogging denim tem uma construção que imita malha, com flexibilidade e toque macio. No entanto, do lado de fora, as características essenciais do famoso jeans premium da ELLUS estão lá: five pockets, detalhes maquinetados, botões em rebite…

O segredo desta inovação têxtil está na combinação destas duas camadas de tecido, que possibilita o conforto e o caimento de um moletom dentro de um autêntico denim. Pois todas as peças da linha ELLUS Jogging Denim oferecem as possibilidades de lavagens e os efeitos de lavanderia que já são uma marca da grife.