Arquivo da tag: arte

20/11/2014_20:00

por CAROLINA MENDES

A diretora de criação Adriana Bozon visitou três museus de arte contemporânea recentemente, e a Sala Ellus foi lá no seu instagram para saber o que não pode deixar de ser visto em cada um deles. Programe-se para visitar já!

1. Fundação Serralves

O museu fica no Porto, em Portugal, e é um dos mais notórios quando o assunto é arte contemporânea. A obra “Double Exposure”, de Dan Graham, é um pavilhão triangular de vidro que se pode entrar. O lado exterior é espelhado em duas das faces. Na terceira foi aplicada uma transparência a cores que reproduz a imagem da paisagem ao redor fotografada ao anoitecer num dia de primavera. Só entrando para saber o que se passa.

2. Guggenheim

Adriana também passou pelo Guggenheim de Bilbao, no País Basco. O projeto arquitetônico de Frank Gehry, por si só, já é arte pura, e o mega cachorro de flores do lado de fora, o Puppy de Jeff Koons, é ponto mundial de selfies. Dentro, não perca as instalações e esculturas de Richard Serra. (É impossível perder, mas só pra reforçar.)

3. Perez Museum

O museu é a nova sensação de Miami. Inaugurado em 2013 com projeto assinado pelo escritório de arquitetura premiado Herzog & De Meuron, ele tem obras de Roy Lichtenstein e, agora, uma exposição de Beatriz Milhazes. É o destino artsy do momento.

 

 

17/11/2014_14:41

por ALEXIA CHLAMTAC

Yves Saint Laurent foi tema de duas cinebiografias este ano: “Yves Saint Laurent”, lançada no começo do ano, e “Saint Laurent”, que estreou na semana passada. Essa última não foi autorizada, mas é a que melhor conta a vida do designer, tanto que foi indicada ao Oscar 2015 na categoria de melhor filme estrangeiro.

O longa, dirigido por Bertrand Bonello (“O Pornográfico”, 2001), faz um recorte histórico entre os anos 1967 a 1976, abordando a importância do legado do estilista francês nascido na Argélia.

De acordo com Bonello, a narrativa foi centrada entre o final dos anos 1960 e 1970 porque o período, além de ter sido uma época de efervescência cultural e política no mundo, representa o auge criativo de Saint Laurent.

O ator Gaspard Ulliel dá vida ao estilista, que se mostra um personagem fascinante e complexo, atormentado diante da fama e da fortuna, tentando sanar suas inseguranças através do abuso de drogas e álcool.

O filme não teve apoio de Pierre Bergé, companheiro e sócio de YSL por muitos anos, o que atrasou as filmagens e fez com que o filme sofresse reajuste. Entretanto, foi graças a esse fato que ele teve maior liberdade para escrever o roteiro como queria.

O longa-metragem conta ainda com a participação da atriz Léa Seydoux, que interpreta a grande musa do estilista, Loulou de la Falaise,; de Aymeline Valade interpretando sua amiga e modelo Betty Catroux; além de Jérémie Renier, que interpreta Pierre Bergé, e o ator Louis Garrel encenando a figura de Jacques de Bascher, um bon vivant que tinha um caso com o também estilista Karl Lagerfeld e por quem o designer se apaixonou nos anos 1970, levando-o a uma turbulenta separação de Bergé.

O passeio feito pelo diretor através da vida de sexo, drogas e alta-costura do estilista dá destaque às zonas de sombra da vida do personagem. O estilista, em estado melancólico, observa o apagar das luzes de um império que ele não representa mais.

13/11/2014_17:39

Depois de um ano com nomes como os de Yayoi Kusama e Salvador Dalí, chegou a São Paulo a primeira exposição de Damien Hirst em terras brasileiras.

O polêmico artista plástico, conhecido por seus animais preservados em formol, traz à galeria paulistana uma obra completamente diferente daquela pela qual é lembrado.

Em sua nova série, Black Scalpel Cityscapes, o britânico apresenta mapas aéreos em P&B, construídos a partir de materiais cirúrgicos como pinças, tesouras e alicates dispostos estrategicamente num plano. A precisão de Damien é absolutamente impressionante e um olhar levemente desatento poderia confundir suas obras com fotografias.

Os fãs do artista podem inicialmente estranhar – sua arte geralmente é bem visceral e orgânica. Mas Damien fez questão de se explicar. É que, para ele, as vias de grandes cidades, como as de Londres e Rio de Janeiro, são tão vivas como um organismo vivo. Suas ruas são como veias, pulsando em constante movimento.

Além desta grande metáfora, a matéria-prima do novo trabalho – como  lâminas de barbear – estabelece uma relação complementar com seu antigo repertório representativo da via dúbia vida e morte. Intrigante, né?

E ainda temos boas notícias para quem não pretende visitar São Paulo tão cedo: a mostra fica aberta para visitação até dia 31 de janeiro. É para não perder mesmo!

30/10/2014_19:01

http://ellus.com/salaellus/wp-content/uploads/2014/10/007-jean-michel-basquiat-theredlist.jpg

por ISA TENÓRIO

A obra de Jean-Michel Basquiat é das mais valorizadas e instigantes do mundo – ela vai do grafite nas ruas à pintura sobre tela, passando por colagens em diversos materiais e temas como morte, cultura negra e hispânica. Basquiat é referência quando o assunto é arte urbana, e nada mais instintivo do que ter ele como uma das influências do inverno 2015 da Ellus, de que já falamos aqui.

http://ellus.com/salaellus/wp-content/uploads/2014/10/Basquiat-Skull.jpg

Nova-iorquino filho de descendente de porto-riquenhos e haitiano, Basquiat, aos 3 anos,  desenhava os personagens de seus desenhos favoritos da televisão e, de tanto visitar o Museu de Arte Moderna (MOMA), chegou a ganhar carteira de sócio-mirim.

Aos 17, acompanhado do amigo Al Diaz, começou a grafitar declarações misteriosas e espirituosas nas paredes do SoHo e do East Village, sempre com a assinatura “SAMO” ou “SAMO shit”: ”same old shit”.

Antes de terminar a escola, abandonou os estudos e se mudou para o Bronx, onde vivia com os amigos e sobrevivia da venda de postais e camisetas pintadas por ele mesmo. Um ano depois, em 1979, ganhou fama no programa de televisão “TV Party” e criou a banda de noise rock “Gray”.

Após ter suas obras no The Times Square Show, participou de exposições e mostras pelo país. Uma crítica positiva feita por René Ricard fez com que sua carreira se tornasse internacional.

http://ellus.com/salaellus/wp-content/uploads/2014/10/download.jpeg

No início da década de 80, Basquiat estava em todas: fez parceria com o amigo Andy Wahrol, namorou a então anônima cantora Madonna, andou ao lado de Julian Schnabel, David Salle e outros curadores e estudiosos da área, os chamados “neo-expressionistas”. Em 85, foi capa do The New York Times.

http://ellus.com/salaellus/wp-content/uploads/2014/10/BasquiatWithWarhol.jpg

http://ellus.com/salaellus/wp-content/uploads/2014/10/basquiat.jpg

A partir de 1986  passou a desenvolver pinturas mais figurativas. É possível observar um forte apreço pelo intelecto; nas figuras individuais, a cabeça está sempre decorada por chapéus, coroas e aréolas.

Em 1988 Basquiat morreu, no próprio estúdio, em consequência de uma overdose de “speedball”, mistura de heroína e cocaína. Em 1996 o amigo Schnabel fez um filme em que conta a trajetória desse artista de traço inconfundível: “Basquiat” é estrelado por Jeffrey Wright.

http://ellus.com/salaellus/wp-content/uploads/2014/10/Picasso-Special-Commission-Jean-Michel-font-b-Basquiat-b-font-100-Hand-Painted-Oil-Painting-Repro.jpg

29/10/2014_18:47

http://ellus.com/salaellus/wp-content/uploads/2014/10/keith-haring-the-political-line-retrospective-exhibition-mam-paris-5.jpg
http://ellus.com/salaellus/wp-content/uploads/2014/10/tumblr_m11r1q1NZq1qls01yo1_1280.jpg
http://ellus.com/salaellus/wp-content/uploads/2014/10/Keith-Haring-from-carnet-aux-petites-choses.fr_.jpg

por ISA TENÓRIO

Semana passada começamos uma série de posts falando sobre grandes artistas gráficos do mundo. O primeiro foi o gênio Stephen Sprouse, que deixou sua assinatura visual em peças de vestuário. Hoje apresentamos o artista e ativista que ficou famoso pela sua arte nas estações de metrô, Keith Haring.

Ainda jovem, Haring entrou para a Ivy School of Professional Art, em Pittsburgh, mas percebeu que não queria ser um artista comercial. Abandonou a escola de arte e foi para Nova York. Na cidade, se matriculou na School of Visual Arts e, paralelamente a isso encontrou um grupo de jovens artistas alternativos que surgia fora das galerias. Junto deles, conheceu inúmeros músicos, performáticos e grafiteiros, como Kenny Scharf, Jean-Michel Basquiat e Madonna.

http://ellus.com/salaellus/wp-content/uploads/2014/10/Keith-Haring-Tseng-Kwong-Chi-2.jpg

Haring então se dedicou a tornar sua arte pública, começando pelos painéis pretos sem propaganda das estações de metrô - com giz branco, traçava até 40 desenhos por dia. Em 1981 fez sua primeira exposição, no Westbeth Painters. Em 1989, abriu a Pop Shop, no SoHo, em Nova York, que chegou a  ganhar filial em Tóquio. A loja era uma extensão de seu trabalho, em que sua arte se tornava acessível a todos os públicos, com camisetas, chaveiros e outros produtos assinados pelo artista.

Haring não queria criar apenas uma loja, mas um espaço de socialização e cultura, onde as pessoas pudessem absorver o máximo da arte encontrada no local. No ano seguinte da abertura da Pop Shop, Haring foi diagnosticado com AIDS. Logo ele decidiu criar a Keith Haring Foundation, uma instituição de ajuda na arrecadação de fundos para a conscientização da doença e ajuda de crianças infectadas.

http://ellus.com/salaellus/wp-content/uploads/2014/10/keith_haring4x.jpg
http://ellus.com/salaellus/wp-content/uploads/2014/10/mayoral-candidates-vie-for-stickball-supremacy-awesome-graffiti-keith-haring-for-wallpapers-hd.jpg

Haring morreu aos 31 anos, por complicações relacionadas à doença, deixando um legado enorme – Keith Haring participou de muitas exposições internacionais, entre elas a Documenta 7 e a Bienal Internacional de Arte de São Paulo. Fez também trabalhos para grandes empresas, como a animação chamada “Spectacolor” para os painéis da Times Square, as estampas para os relógios da Swatch e uma campanha publicitária para a vodca Absolut, além de diversas intervenções em ruas pelo mundo, como os grafites no Muro de Berlim.

Sua última obra, o mural ‘Tuttomondo”, perto da igreja de Sant’Antonio Abate, na Itália, foi dedicada à paz mundial. Esse e outros temas como amor, sexualidade, nascimento, morte, liberdade e preconceito foram bastante explorados por ele. Inspirado pelo manifesto “The Spirit Art” de Robert Henri, buscou uma independência, um tipo singular de expressão gráfica. Desenvolveu o gosto pelas linhas grossas e simples, cores vibrantes e desenhos expressivos. Mesmo após sua morte, influenciou muitos artistas e projetos, como as coleções de roupa de Jean-Charles Castelbajac em 2002 e de tênis da Reebok, a “Crack is Wack”, neste ano.