• 05/01/2015_10:00

    Não vamos falar aqui do grupo brasileiro que foi hype dos anos 1980 e cujas trilhas sonoras de novela teimam em não sair da nossa cabeça. Mas hoje é o dia que 2015 oficialmente começa e, como de costume, todo o site da ELLUS entrou em SALE. Por isso, fazemos o convite: que tal renovar o closet com muita roupa nova?

    Os produtos não sofreram um abatimento simples: estamos com uma campanha de descontos progressivos no ar! Isto quer dizer que se você comprar duas peças, ganha 20%; três, 30%; quatro, 40%; a partir de cinco, o desconto é de 50%.

    Em maio do ano passado, a ELLUS desfilou na São Paulo Fashion Week uma coleção de jeans lavados cuja estrela foi o top galã Cauã Reymond. Logo depois, lançamos a terceira edição do Jornal ELLUS, onde, em editoriais de moda pra lá de desejáveis (um deles estrelado pela musa Lea T.), apresentamos os principais itens do nosso coleção.

    A nossa SALE de verão é uma oportunidade e tanto de adquirir t-shirts atemporais, como a festejada linha Rock Tees (clique aqui para ver uma seleção das melhores peças) e a nossa afetuosa parceria com a Disney (clique aqui para ver quais itens temos disponíveis). É a chance também de levar para a sua vida roupas que transportam o conceito de passarela para o dia a dia (como qualquer peça decorada com a estampa Flag, um dos nosso ícones desta estação).

    Se você chegou até essa linha do texto, não se reprima: navegue já pela nossa Online Store.

    22/12/2014_09:00

    por IGOR FIDALGO

    Então é Natal. Mas para temperar a ceia desta quarta com um pouco da sua personalidade, que tal embalar a noite com “Joel, the lump of coal”, novo hit natalino lançado pelo The Killers, banda que a ELLUS ama?

    Os roqueiros de Las Vegas lançam singles especiais de fim de ano há nove anos. A estratégia é divulgada com um videoclipe quase sempre de cunho cômico (à exceção dos delicados “Christmas in L.A.” e “Boots”, e do épico “Joseph”).  Já virou um hábito religioso: esteja o vocalista  Brandon Flowers em hiato sabático para tocar a carreira solo ou a banda dedicada a outros projetos, os rapazes do Killers param tudo, compõem e colocam o hit natalino para venda no iTunes.

    Interessante é que o projeto ainda tem cunho social: os singles de Natal do Killers fazem parte da RED, ONG capitaneada por Bono Vox e Bobby Shrive que se alia a grandes nomes da indústria de entretenimento para criar produtos cujas rendas são destinadas a programas anti-AIDS na África.

    O site da campanha é muito bacana e inspirador, e neste manifesto você pode saber mais sobre a ONG. A intenção de toda a rede de artistas da RED é zerar o número de recém-nascidos infectados com HIV, valor que já caiu de 1.500 (em 2002) para 650 (2013).

    Abaixo, uma retrospectiva com os divertidos clipes natalinos dos meninos do deserto, em ordem retroativa.

    2014: “JOEL, THE LUMP OF COAL”

    A história de Joel, um pedaço de carvão que vivia no Polo Norte e sonhava em se tornar brinquedo de uma criança, ganha edição em forma de colagem, bem parecida com o que vemos nos personagens secundários da animação “South Park”. Mas um Papai Noel sarcástico decide entregar Joel a uma criança malcriada. Por fim, o pedaço de carvão se torna um diamante, fazendo a alegria do menino. 

    O apresentador Jimmy Kimmel empresta a voz ao Mal Velhinho, que no vídeo é retratado por um homem de traje vermelho popular e barbas falsas animado com técnica de quadro-a-quadro. Por conta desta participação, o clipe foi lançado no talk-show de Kimmel, com direito a exibição de cenas exclusivas do apresentador no estúdio com o The Killers.

    2013:  ”CHRISTMAS IN L.A.”

    Owen Wilson vive um ator que tenta se firmar em Los Angeles e, por ainda não ser bem remunerado na profissão, não consegue voltar para a cidade onde nasceu para passar o Natal com seus pais.

    A música é o resultado da parceria do The Killers com a banda de folk-rock californiano Dawes. O diretor Kelly Loosi intercala as cenas melancólicas de Wilson (que reproduzem de forma literal as colocações da  letra) com animações produzidas pelos estudantes da Brigham Young University, instituição instalada nos Estados Unidos.

    2012: “I FEEL IT IN MY BONES”

    É o terceiro clipe de Natal que conta com a participação do músico Ryan Pardey interpretando Papai Noel (ele também está em “Don’t shoot me Santa” e “A great big sled”). Passa durante uma perturbadora noite de sono, onde os integrantes da banda são assombrados por pesadelos com um Bom Velhinho vingativo.

    A fotografia lembra os primeiros filmes de Freddy Krueger na série “A hora do pesadelo” (com sombras coloridas e muita fumaça). Destaque também para a criativa direção de arte: Pardey atravessa o deserto em uma moto decorada por chifres de veado e suas armas são chacos em forma de bengalas doces e granadas disfarçadas de bolas natalinas.

    2011: “THE COWBOY’S CHRISTMAS BALL”

    Enquanto a letra adaptou o poema de 1890 de William Lawrence Chittenden, trocando a ambientação de Texas para Nevada, o clipe ganhou cores de comédia em ritmo de western spaguetti.

    Cowboys ladrões tentam assaltar uma cidade do velho-oeste norte-americano, mas são surpreendidos por dois robôs alienígenas (bem no estilo de “O dia em que a Terra parou”, de 1951). Os ciborgues intergalácticos trazem paz ao lugarejo, dançando break com os moradores da cidadezinha.

    2010: “BOOTS”

    É o clipe mais tocante de toda a tradição natalina do The Killers. A cena de abertura exibe um trecho do filme “A felicidade não se compra”, de 1946, onde o ator George Bail aparece rezando, em close-up. Em seguida, Brad Prowly, artista de rua nova-iorquino que ficou famoso como Super Bad Brad (que se apresenta no Greenwich Village com um rádio estilo boombox), aparece segurando as fotos da família que um dia teve. Parece que o personagem agora é um andarilho urbano, que mora na rua e não tem mais contato com a mulher e com os filhos.

    Aos prantos, agarra a fotografia e decide se emprenhar mais nas performances. Investe todo o dinheiro ganho numa diária em itens natalinos comprados em uma loja de 1 dólar. No fim do clipe, volta para casa e reencontra a família, trajando chapéu de Papai Noel com sacolas cheias de enfeites. De chorar.

    Coincidência ou não, Brandon Flowers, que lançara o álbum solo “Flamingo” três meses antes da divulgação oficial de “Boots”, aparece sozinho neste vídeo, que tem a melhor fotografia de toda a série de Natal do Killers.

    2009: “¡HAPPY BIRTHDAY, GUADALUPE!”

    Esqueça o almofadinha Dylan McKay do seriado “Beverly Hills 90210″ (que foi ao ar no Brasil com o sofrível título “Barrados no baile”). Neste vídeo do Killers, Luke Perry vive um cowboy que é casado com uma mexicana, a Guadalupe. Mas toda vez que ele tem que sair pelo deserto a trabalho, é assombrado por pensamentos melancólicos.

    O corpo de baile composto por dançarinas com caveiras mexicanas pintadas no rosto lembra o trabalho da videoartista japonesa Sookoon Ang, em cartaz no Palais de Tokyo, em Paris. Vale googar para saber mais.

    2008: “JOSEPH, BETTER YOU THAN ME”

    Trechos dos 12 episódios da série televisiva “The living Christ”, de 1951, correspondem a 90% do videoclipe, que é complementado com imagens de vitral, árvores de Natal e velas acesas. Não é um clipe que merece ser visto, mas a música, escrita a seis mãos com Elton John e Neil Tennant, do Pet Shop Boys, vale o play.

    Se você gosta de um destes dois astros, saiba que eles dividem também os vocais com Brandon Flowers. Oportunidade única de ver os três ícones compartilhando os microfones.

    2007: “DON’T SHOOT ME SANTA”

    A letra da música retrata um chat entre Papai Noel e um adolescente que começou a matar pessoas depois sofrer bullying na infância. O resultado videográfico é um dos mais hilários clipes do The Killers, que conta novamente com Ryan Pardey vivendo um Papai Noel psicopata que sequestra Brandon Flowers. Parece que eles têm uma visão bem particular em relação ao Bom Velhinho, não?

    Ao longo do filme, Pardey começa a cavar um buraco no meio do deserto de Mojave, na Califórnia (onde o clipe foi filmado) para enterrar o líder do The Killers. Flowers é salvo por Dave Keuning, Mark Stoermer e Ronnie Vannucci Jr., os demais integrantes da banda, que surgem disfarçados de arbusto, no maior estilo pastelão Hanna-Barbera.

    É uma graça também o teatro de fantoches que inicia o videoclipe, com versões de Flowers e Pardey em bonequinhos, e o figurino da banda nas cenas de estúdio, onde aparecem tocando a música.

    2006: “A GREAT BIG SLED”

    Em um estúdio, Brandon Flowers é filmado por uma câmera estilo super-8, com filtro antigo. O clipe é intercortado com imagens tradicionais de Natal, onde os rodies do The Killers retiram instrumentos de um caminhão trajando roupa de duendes. Tem até gente vestida de boneco de neve e Brandon aparece sentado no colo de Ryan “Papai Noel” Pardey. Tudo bem avonts, com cara de filme caseiro que registrou os bastidores, sabe como?

    A música conta com vocal de apoio de Toni Halliday, vocalista da banda Curve. Ela é mulher de Alan Moulder, produtor da faixa.

    19/12/2014_10:00

    Atenção para a última chamada: quem ainda não comprou seus presentes de Natal, deve se dirigir imediatamente para a ELLUS mais perto de você. Neste final de semana, as lojas da grife instaladas em todos estados brasileiros estão funcionando com horário estendido. No link a seguir, encontre o telefone do ponto de venda mais próximo de você e cheque o horário de funcionamento com a nossa equipe de vendas. 

    No entanto, não se reprima por deixar tudo para última hora. Sabe aquela máxima “os últimos serão os primeiros”? Nós, da Sala ELLUS, save the best for last, com uma seleção final de produtos luxuosos que custam acima de R$ 400.

    Para os homens, dois itens eternos: a camisaria jeans com tratamento lavado lembra muito as peças de denim nevado típicas dos anos 1980 (como bem falamos aqui neste post); já o destaque da calça de textura smoked é a silhueta (reparou como a perna é bem sequinha, com a bainha ajustada?).

    Qual mulher não perde o prumo diante de uma it-bag? A bolsa de mão confeccionada em leather denim tem textura de croco e é perfurada por, exatamente, 158 tachas. Este detalhe chama atenção para uma deliciosa contradição: embora seja uma peça produzida industrialmente para a mulher que vive nas grandes cidades, a aplicação dos pins evoca uma atenção artesanal que a gente adora.

    A nossa última sugestão de Natal é a peça que é um hit entre as nossas estilistas: a minissaia de couro com pregas é um dos itens preferidos da nossa diretora criativa, Adriana Bozon.

    A equipe da Sala ELLUS confirma: reparamos Adriana usa muito a sua saia de couro confort! Prova de que, além de ser um item poderoso e de alto luxo, a saia segura legal no dia a dia. Palavra de especialista

    18/12/2014_10:00

    por IGOR FIDALGO

    Na terça-feira, atualizamos você, leitor do Sala ELLUS, sobre a vida artística da herdeira de Kurt Cobain, a estonteante Francis Bean. Tudo por conta da notícia que movimentou a indústria da música no final deste ano: ela é a produtora executiva de “Kurt Cobain: Montage of heck”, o primeiro documentário sobre a vida do líder do Nirvana realizado colaborativamente com a sua família.

    Dirigido por Brett Morgen, o filme é uma produção da HBO e vaio ao ar no canal a cabo em 2015. Segundo o site da revista Billboard publicou, 200 horas de músicas e performances ao vivo do Nirvana nunca antes divulgadas e mais de 4 mil páginas de cifras de músicas inéditas foram colhidos para o doc.

    Morgen é autor de “Crossfire hurricane”, filme sobre os 50 anos do Rolling Stones que foi lançado há dois anos. Na ocasião, o diretor disse que imaginava “Montage of heck” (cujo nome é tirado da mixtape acima, oriunda dos anos 1980) como um “Pink Floyd The Wall” da nossa geração, citando o icônico filme de 1982 que mistura imagens documentais e animação.

    Inquietos pela possibilidade de voltarmos a ouvir Nirvana com a divulgação de novas demos no doc de Francis Bean Cobain, montamos uma lista com outros três filmes que retratam a vida e a obra do pai do grunge. Bons filmes!

    “KURT & COURTNEY” é um doc estilo thriller de 1998. Nos 95 minutos de fita, o diretor Nick Broomfield montou uma colcha de retalhos sensacionalista, unindo depoimentos de pessoas próximas ao cantor a personagens oportunistas. É o primeiro filme produzida em torno da morte de Kurt Cobain e todo o roteiro investigativo se propõe a responder: foi suicídio ou assassinato?

    “ÚLTIMOS DIAS”, o drama do aclamado Gus Van Sant, conta a história de Blake (Michael Pitt, de “Os sonhadores”), um rock star deprimido que se veste de mulher e vive isolado em uma mansão em Seattle. A obra de ficção é diretamente inspirada na vida (e na morte) de Kurt Cobain. Dica: como é uma característica na filmografia de Van Sant (diretor de “Drugstore cowboy” e “Elefante”), o filme tem planos longos e muito silenciosos. Então assista com disposição!

    “ABOUT A SON” é uma produção mais séria, de 2006. O diretor AJ Schnack montou o doc com as gravações de entrevistas concedidas ao jornalista Michael Azerrad. A voz do próprio Kurt Cobain cobre imagens melancólicas feitas nas cidades onde o músico viveu e fotografias antigas que chamaram a atenção do Festival Internacional de Cinema de Toronto

    17/12/2014_10:00

    Poucas épocas do ano ano são um convite para celebrar. E tem forma mais efetiva de comemorar um período todo de realizações do que investir em compras que vão durar muitos outros natais e réveillons?

    Ok: o ano pode não ter sido tão leve assim, mas precisamos ser gratos. Daí, voltamos a perguntar: tem gratidão maior do que renovar o guarda-roupa com peças que foram confeccionadas para resistir?

    Na lista de presentes que custam até R$ 400, você encontra itens eternos que fazem a felicidade de homens — como o jeans River, calça de silhueta slim que contém elastano na sua composição industrial — e das mulheres — ao exemplo da sandália pesada de couro que você vê acima.

    Na hot list masculina, ainda sugerimos dois itens que nunca saíram (e nunca sairão) de moda: a bermuda Okawa, cuja lavagem nevada é tendência absoluta desde os anos 1980 (década que a ELLUS ama e que não sai do nosso radar de desejos urgentes), e a camisa Bleach, que corta o denim com o rigor da camisaria clássica.

    As mulheres merecem passar os dias mais quentes com as pernas de fora (sobretudo para usar os it-shoes fantásticos que a ELLUS tem o costume de lançar). O short Butterfly Flag aplica a estampa mais lúdica da nossa coleção de alto-verão em jeans texturizado.

    Por fim, há item mais unânime do que uma jaqueta de corte sequinho? Com puídos estratégicos, a peça que encerra este post é um estandarte inconfundível de estilo. Basta vestir para arrasar.

  • Doois Sites e Sistemas