• 02/12/2016_09:00
    VEJA SUSAN SARANDON DIVANDO NO NOVO CLIPE DO JUSTICE

    POR GUSTAVO GARCIA

    O duo francês Justice lançou, nesta quarta-feira (30), o terceiro videoclipe de seu mais recente álbum, intitulado “Woman”. Em “Fire”, ninguém menos do que a atriz Susan Sarandon aparece no papel principal, linda e sexy, no melhor estilo Thelma e Louise. O clipe mostra um encontro do trio em uma casa minimalista no deserto e, em seguida, o embarque deles em um estiloso Toyota Celica dos anos 80.

    A fotografia nos transporta diretamente ao clássico filme Easy Rider, que serviu — e ainda serve — de inspiração para muitas gerações e é um símbolo de liberdade e subversão ao modo de vida americano e ao capitalismo. Estética essa que serve de inspiração desde sempre para os trabalhos do Justice.

    A direção do clipe ficou por conta do cineasta Pascal Ferreira, que falou um pouco sobre a inspiração que teve, junto com Gaspar Augé e Xavier de Rosnay, os dois membros do duo: “Numa tarde quente de verão, eu e Gaspard estávamos na cozinha de Xavier, sonhando coletivamente em lavar um carro”, conta. “Sobre os anos que gostamos do design dos carros, onde seria, qual seria o clima… E devia ter uma mulher pra ir com a gente, uma mistura icônica de cool, fascínio e força. Susan Sarandon, claro!’”. Melhor escolha, impossível.

    O fato é que, meses depois, os três estavam ali, no deserto, gravando com a deusa do cinema americano. O vídeo, que tem um pouco mais de três minutos, nos passa a sensação de liberdade, com uma estética simples, desprovida de efeitos visuais e recursos de pós-produção. Susan está linda, sensual e no auge de sua maturidade, sabendo exatamente o motivo de estar ali e conhecendo seu potencial sedutor.

    O vídeo começa na descoberta do Toyota, como se tivessem achado aquele tesouro abandonado na garagem de casa. Depois de devidamente lavado, naquele mood de garota do lava-a-jato, os três saem para uma viagem rumo à liberdade. As cenas da aventura são intercaladas com momentos em que a atriz dança, evoluindo de forma suave e magistral, mostrando exatamente porque foi escolhida como musa.

    Música e imagem fluem bem no clima: sexy, numa pegada bem parecida com o último álbum do Daft Punk. Não é por acaso que ambos são franceses e fortemente influenciados pelos riffs de guitarra dos áureos tempos do funk e soul music americanos dos anos 1970 e começo dos 80.

    É fácil imaginar uma festinha com toda essa galera do french retouch — nome dado ao movimento da música eletrônica francesa que marcou o começo dos anos 2000 e que incluía nomes como Sebastien Tellier, Digitalism, Simian Mobile Disco e todo casting da hypada maison, mezzo moda mezzo música, Kitsuné — onde todos conversam e se influenciam, enquanto bebem litros de beaujolais nouveau.

    No final, a impressão que tive foi estar revendo Thelma e Louise, mas, em algum momento, as meninas deram carona para algum caixeiro viajante. O clipe cumpre bem a função de entretenimento, sem maior profundidade, e exibe a beleza e a elegância de uma das maiores estrelas do cinema mundial da atualidade.  Só isso, já é motivo suficiente para se engajar. De quebra, você ouve o som moderno, classudo e funky do duo que é um dos ícones de música eletrônica atual. Ou você acha que ter uma estrela dessas divando no seu videoclipe é para qualquer um?

    30/11/2016_09:00
    THE XX RESSURGE COM CLIPE QUE EXALTA A HOSPITALIDADE AMERICANA

    The xx ressurgiu essa semana para começar a divulgação do terceiro álbum de estúdio da carreira. “I See You” será lançado oficialmente apenas em 13 de janeiro de 2017, mas duas faixas do trabalho já estão disponíveis e, na última segunda-feira, 28, soltou o clipe para uma das músicas, “On Hold”

    O vídeo tem direção de Alasdair McLellan e foi todo gravado em Marfa, no Texas, Estados Unidos, região em que o xx compôs e gravou trechos do próximo disco. “Temos muito amor e respeito pelas pessoas nos Estados Unidos”, diz a banda. “Esperamos que esse vídeo reflita um pouco do calor e da hospitalidade que encontramos aí.”

    “On Hold”, novo single do trio britânico, contém samples do hit de 1981 “I Can’t Go for That (No Can Do)”, do icônico duo Hall & Oates. Produzido por Jamie XX, esse primeiro single mistura o vocal intimista de Romy Madley Croft à levada pop de Oliver Sim.

    “I See You”, terceiro disco do xx, dá continuidade a “xx” (2009) e “Coexist”(2012) e foi produzido a quatro mãos, ao lado de Rodaidh McDonald – que já trabalhou  que já trabalhou com artistas do quilate de Adele e Vampire Weekend. O álbum já está disponível para pré-venda nos formatos digital, CD e vinil. No site do grupo ainda é possível encontrar um box com três canções bônus.

    14/10/2016_09:00
    ROCK AND ROLL NO HAVAÍ: NOSSO NOVO FASHION FILM PEGA FOGO DEBAIXO D’ÁGUA

    POR ROBERTA GRAHAM

    O fashion film da Ellus Summer 17 utiliza-se da intensidade musical e do jogo cortado e acelerado de câmera para trazer à tona um sentimento com um quê de psicodelia, tal qual faz também a série inglesa Skins. Primeiro, a marca selecionou uma trilha sonora vibrante, capaz de fazer o ouvinte sentir as pulsações no seu interior, como a música trap geralmente faz.

    Depois, complementando o desenvolvimento dessa vibe, foi feito o uso da luz. Normalmente, apela-se para o contraste claro/escuro. No vídeo, no entanto, a luz se dispõe a formar o contraste de temperatura. Como observamos atrás dos modelos, um telão incessantemente evidencia cenas de mar/fogo, contribuindo para a oposição vibrante.

    É interessante notar que esta dança não se desenha somente  na luz e na trilha sonora “Lanzarote”, de Todd Terje. A Ellus, em suas roupas mesmo, conseguiu agregar um sentimento de imersão. Esse incrível planejamento é percebido na escolha dos looks dentro das cores, mais quentes ou mais frias. Nas cenas de frio, mar, aparecem modelos vestindo  tonalidades de azul, como peças jeans, mais envolventes, mais cheias. Nas quentes, fogo, aparecem nuances avermelhadas ou soltas, mais frescas, contribuindo para a sensação da cena como um todo.

     

    A direção criativa foi feita pela dupla Adriana Bozon e Rodolfo Souza, com direção de arte de Estela Padilha. A filmagem ficou por conta de Marcos Mello, da Cavallaria Filmes, com styling de Michael Vendola. O casting, escolhido por Alexandre Queiroz, contou com nomes de peso da indústria da moda. As modelos Waleska Gorczevski, Cris Herrmann, Eve Moraes e Fernanda Becker dividiram a cena com Evandro Soldati, Lucas Muller e Felipe Rocha. Todos eles tiveram a beleza assinada por Henrique Martins.

    O conceito do filme inspirou-se no Havaí, misturando o tropicalismo meio americano, meio oriental, com a aura do rock and roll. A natureza acidentada do arquipélago, que mistura as ondas mais disputadas do planeta com o perigo de vulcões ativos, fica nítida na escolha criativa do filme, bem como na cartela da coleção. O maiô engana mamãe, sexy, decotado, com claras inspirações de anos 80, vem misturado à referências dos anos 90 como os braceletes e gargantilhas, ornamentados pelos brasileiríssimos búzios.

    As sandálias de plataforma horizontal, muito atuais, destacam a rebeldia das peças em jeans e couro, como jardineiras e jaquetas. O preto, o branco e o marrom convivem com o azul lavado, os florais em tons de rosa e os rasgados cool que lembram as primeiras coleções de Olivier Theysken para a Balmain. Uma auto destruição fashion, o vulcão, que dá vida às cores, às texturas, à vibração que é característica marcante da Ellus, bem como sua rebeldia.

    Percebemos que estamos viajando com uma turma muito animada quando nos deparamos com acessórios que lembram as icônicas malas de viagem da Globe Throtter. O couro estruturado, quase uma caixa antiga, é ornamentado por adesivos que insinuam passaportes muito carimbados. Queremos fazer parte desta galera, meninos e meninas descolados e divertidos, que não têm medo de se aventurar nos confins mais perigosos do planeta para viver uma aventura.

    A Ellus costuma ser uma marca mais rebelde do que aventureira, na verdade. No entanto, em tempos em que as experiências valem mais do que as posses, muita atitude pode ser atribuída ao estilo de vida. É aí que a marca acerta em cheio na conexão com o seu público e promete uma estação com a capacidade de agradar a gregos, troianos, brasileiros e havaianos.

    30/09/2016_09:00
    HÁ 35 ANOS ERA LANÇADO UM DOS DISCOS MAIS IMPORTANTES DA HISTÓRIA DA MÚSICA MUNDIAL

    Há exatos 35 anos, a icônica banda de rock Rolling Stones lançava o álbum “Tattoo You”. Foi o último da sequência de trabalhos iniciada com “Some Girls”, em 1978, prosseguido com “Emotional Rescue”, de 1980. O disco levou a banda de volta ao hype no mundo da música.

    O long-play é basicamente composto por sobras de estúdio, capturados durante a fortuita década de 1970, e contém um dos hits mais conhecidos da banda, “Start Me Up”, que atingiu rapidamente o topo das paradas de sucessos da então renomada Billboard. O disco inteiro provou ser um sucesso, atingindo a marca de mais de quatro milhões de cópias somente nos EUA.

    Planejado inicialmente para se chamar somente “Tattoo”, o título acabou sendo modificado, ganhando o “You”, mesmo sem que Jagger soubesse exatamente como. A mudança acabou causando certo mal-estar entre o vocalista e o guitarrista Keith Richards, que suspeitou que o companheiro de banda havia feito a mudança sem consultá-lo.

    Chris Kimsey, produtor do álbum, falou em entrevista na época sobre o processo de elaboração do trabalho: “surgiu porque Jagger e Keith estavam passando por um período sem tempo. Havia uma necessidade de ter um álbum, e eu disse a todos que eu poderia fazer um álbum, que eu sabia o material que ainda estava lá.” A aceitação do público em relação ao disco foi instantânea, elevando-o ao top 10 nos EUA e Reino Unido, e as vendas foram sólidas com o LP recebendo disco de platina por quatro vezes.

    A crítica também foi bastante positiva, com muitos conceituando o álbum como uma melhoria sobre o antecessor “Emotional Rescue”. Apesar que haver clipes para algumas antigas canções, como “Simpathy For The Devil” e “Respectable”, por exemplo, foi a partir do surgimento da MTV, em 1981, que os vídeos para apresentação das músicas passaram a ser um must have para qualquer composição que pretendese se tornar um hit.

    Com isso, vários videoclipes foram produzidos para divulgar o disco e a banda entrou de vez no recém-criado cenário musical televisivo. De lá para cá, muito tempo se passou, mas o frescor e a vitalidade das música dos Stones continuam encantando. Tanto as antigas quanto as novas gerações perceberam que o rock and roll continua vivo e que música de boa qualidade nunca morre.

    23/09/2016_09:00
    #SHOEMAKING: DESCUBRA COMO SEU SAPATO É FEITO

    Alguma vez você já se perguntou como os sapatos são feitos? O segredo de um sapato bem feito está na qualidade do material e especialmente na sola. É na sola que facilmente identificaremos se o calçado é de boa, razoável ou excelente qualidade. A forma é o que dá sentido à existência de qualquer calçado. Os responsáveis pela fabricação das formas são verdadeiros artesãos e permanecem, quase que secretos, dentro de cada marca. A Gucci, por exemplo, possui dentro de sua fábrica na Toscana mestres encarregados pela elaboração de suas formas.

    A primeira forma geralmente é talhada em madeira e, após sua aprovação, é moldada em resina para ser empregada em vários exemplares que formarão a linha de montagem. Muitos fabricantes do setor acreditam que esse cuidado extremo e a manutenção dessa arte secular de ‘hand made’ o símbolo da sofisticação. Ficou curioso para ver como funciona um pouco desse processo na prática? No vídeo abaixo você vai assistir como a “mágica” acontece até chegar no produto que você encontra nas lojas. Check it out!    

    Clique aqui para comprar esse coturno na Online Store

  • Doois Sites e Sistemas