• 03/03/2015_09:00
    AS CANÇÕES NERVOSAS, AMOROSAS, CANSADAS, HONESTAS E IDIOTAS DE WILL BUTLER

    por ALEXIA CHLAMTAC

    Se você é fã do Arcade Fire, saiba que o compositor e músico Will Butler, um dos integrantes da banda, lança seu primeiro álbum solo no dia 10 de março, para os países da América do Norte. Seis dias depois, a Merge Records, mesma gravadora do Arcade Fire, libera ”Policy” para o resto do mundo.

    Em recente coletiva, Butler contou à imprensa que artistas como John Lennon, Bob Dylan, Violent Femmes, The Breeders, The Modern Lovers, Smokey Robinson, The Magnetic Fields e Ghostface Killah influenciaram o disco. O material, de acordo com o cantor, foi inspirado na música tradicionalista americana feita por estes artistas.

    O tempo de gravação foi, digamos, um récorde: Butler passou apenas uma semana dentro do Electric Lady Studios, QG musical montado na antiga casa de Jimi Hendrix. O baterista do Arcade Fire, Jeremy Gara, contribuiu em alguns dos arranjos, outros artistas amigos colaboraram com backing vocals, mas, pasmem: a maior parte dos instrumentos foi gravada pelo próprio Will Butler.

    O multi-instrumentista tem afeição por estruturas musicais tradicionais, com arranjos limpos. “A sonoridade é experimental apenas no ataque à consistência como um requisito para a sinceridade. As canções são nervosas, amorosas, cansadas, honestas e idiotas”, diz ele que, no clipe de “Anna” (que você vê no meio deste post), dança desajeitadamente charmoso, deixando escapar um pouco de cada um destes adjetivos.

    05/02/2015_22:34
    VINIL PARA TODOS: PROGRAMA DE TV, ASTROS DA MÚSICA E AÇÕES DE MARKETING MANTÊM VIVO O SAUDOSO BOLACHÃO

    por ISA TENÓRIO

    Tirar da capa, limpar a poeira com um paninho, colocar no prato, posicionar a agulha com todo cuidado. Depois de alguns segundos de suspense e das deliciosas notas sujas que só os long-plays têm, começa a primeira faixa do disco. Esta é a sensação que um vinil proporciona: ficar sentado ao lado da picape (há que ainda tenha vitrola — muito mais charmoso, aliás), vendo a rodela rodando infinitamente.

    A turma hipermoderna (termo cunhado pelo filósofo Gilles Lipvetsky), que ouve música em aplicativos como Spotify, Rdio e Deezer, certamente não entendem a sensação que outras gerações tiveram a fazer a primeira audição de um disco de vinil.

    Aos amantes deste ritual, damos boas notícias: desde 2013, as vendas de LPs aumentaram nos Estados Unidos, no Reino Unido e no Brasil, mostrando que a mídia fonográfica está mais viva do que nunca.

    Prova disto é o programa “Minha loja de discos”, cuja segunda temporada está em reprise no canal a cabo BIS (segunda-feira, às 19h). Dirigida pelo jornalista Rodrigo Pinto (abaixo), a série documental percorre os lendários empreendimentos especializados em LPs do Reino Unido, um grupo que persistiu quando as vendas dos discos começaram a cair. Os proprietários contam como sobreviveram ao advento do compact-disc e à música digital, além de conectar Pinto a clientes que são verdadeiros entusiastas da cena.

    Jack White é um dos músicos que capitaneiam a (re)difusão do formato. O seu segundo álbum solo, “Lazaretto”, vendeu mais de 40 mil bolachas.

    Segundo a SoundScan, órgão responsável pelos números referentes à indústria, o disco de 2014 tornou-se o vinil mais vendido em uma semana desde 1994 (ultrapassou as vendas de “Vitalogy”, do Pearl Jam). 

    Os britânicos do Arctic Monkeys, o duo Daft Punk e os queridinhos indie The Strokes também são incentivadores do movimento em prol da volta dos bolachões.

    Brasileiros não ficam atrás: Fernanda Takai, Pitty e Nação Zumbi também entraram na onda e lançaram seus álbuns no formato LP. A banda carioca Glass N’ Glue, liderada pela stylist Marininha Franco (que faz um rock sexy e supercool que a ELLUS ama), dividiu as músicas do álbum de estreia, “Give me some of your dreams”, em três compactos coloridos (abaixo).

    Com o aumento da produção dos vinis, a venda de toca-discos também aqueceu o mercado. Pasmem: modelos modernos vem até com entradas USB.

    Ficou com vontade de se confortar na poltrona degustando aquela textura sonora que só os long-plays te dão? Abaixo, um top 5 da onde você pode comprar discos, picapes e quetais.

    1) EM SÃO PAULO: na Rhythm Records, dentro da Galeria do Ouro Fino (Rua Augusta, 2690 – Cerqueira Cesar).

    2) NO RIO DE JANEIRO: podem ser encontrados na loja Tracks (Praça Santos Dummont, 140 – Baixo Gávea).

    3) EM BELO HORIZONTE: na All Wave Discos (Rua do Rio de Janeiro, 630, loja 44 – Centro).

    4) EM BRASÍLIA: no Berlin Discos (Setor de Diversões Sul, Edifício Miguel Badya, bloco L, loja 63).

    5) EM CURITIBA: no Vinyl Club (Rua Ébano Pereira, 196, loja 05).

    22/01/2015_12:40
    ENSAIE OS COVERS QUE O FOO FIGHTERS APRESENTA NA TURNÊ QUE CHEGA A SÃO PAULO AMANHÃ

    por IGOR FIDALGO

    Até ontem, o Foo Fighters só tinha se apresentado no Brasil em festivais. Mas com a turnê de “Sonic highway”, álbum mais recente da banda liderada por Dave Grohl, eles fizeram a sua estreia solo no País, com um espetáculo que ebuliu Porto Alegre durante três horas.

    Mas quem é fã de FF, já está acostumado com shows longos. Afinal, quem não lembra da lendária apresentação do Lollapalooza de 2012? Se você é um dos esquecidos, relembre assistindo o vídeo abaixo, um achado no YouTube que registra as explosivas 2 horas e meia de performance.

    O show em Porto Alegre contou com o mesmo número de canções de 2012 (26), sendo que em “Sonic highway” a banda faz uma série de covers — que, diga-se de passagem, incendiou ainda mais o público de 30 mil pessoas. Para você que estará amanhã no Estádio do Morumbi, montamos um aperitivo histórico: a lista abaixo reúne os clipes originais de músicas de outros ícones do rock que Dave Grohl e cia revisitam nesta turnê.

    Em “Cold day in the sun” (música de “In your honor”, de 2006), Dave Grol começa um momentinho jam session e puxa um cover de “Daft Punk is playing in my house”, do LCD Soundsystem.

    Em seguida, o baterista Taylor Hawkins toma conta dos vocais e canta “Another one bites the dust”, do Queen.

    Depois de um bloco de hits pontuado por “I’ll stick around”, “Monkey wrench” e “Times like these”, o Foo Fighters abre uma série de covers com “Detroit rock city”, do Kiss.

    Seguem com “Miss you”, do Rolling Stones (que a ELLUS ama).

    Terminam o set de versões com “Under pressure”, mítico dueto de Queen e David Bowie gravado em 1981. Abaixo, o manifesto político que leva a assinatura do antológico diretor de filmes musicais David Millet (vale clicar aqui para checar o currículo do britânico que filmou inúmeros vídeos para Joan Jett, AC/DC, Billy Idol, Erasure e INXS).

    Mesmo podendo haver pequenas mudanças, este é o mood do show de amanhã (no Rio de Janeiro, o Foo Fighters se apresenta no domingo; ainda passa por Belo Horizonte na próxima quarta-feira). Para você preparar o coração rock ‘n’ roll, segue o setlist da apresentação de Porto Alegre.

    1) “Something from nothing”
    2) “The pretender”
    3) “Learn to fly”
    4) “Breakout”
    5) “Arlandria”
    6) “Generator”
    7) “My hero”
    8) “Congregation”
    9) “Walk”
    10) “Cold day in the sun” (com “Daft Punk is playing at my house” e “Another one bites the dust”)
    11) “In the clear”
    12) “I’ll stick around”
    13) “Monkey wrench”
    14) “Skin and bones”
    15) “Wheels”
    16) “Times like these”
    17) “Detroit rock city” (cover)
    18) “Miss you” (cover)
    19) “Stiff competition” (cover)
    20) “Under pressure” (cover)
    21) “All my life”
    22) “These days”
    23) “Rope”
    24) “Outside”
    25) “Best of you”
    26) “Everlong”

    20/01/2015_18:52
    UM DETALHE OU OUTRO SOBRE AS ROCK TEES DA ELLUS

    por IGOR FIDALGO

    Não é de hoje que a linha Rock Tees é um sucesso de vendas. Alinhadíssima com o que o seu público inquieto e provocativo deseja consumir, a diretora criativa da ELLUS, Adriana Bozon, reedita t-shirts de bandas de rock temporada após temporada.

    As estampas são clássicas (capas de discos e imagens icônicas ), mas as camisetas passam por variados processos de beneficiamento. Tudo para que a peça saia da loja com aquele toque podrinho que a gente ama.

    Inspirados pelo SALE que colore nossas lojas e que incendeia a nossa Online Store, vamos contar a história por trás das imagens de uma t-shirt de cada banda. Duvidamos que conhecesse todos os detalhes!

    TEE ROLLING STONES

    O mugshot de Mick Jagger é um statement da cultura rocker. Arriscamos dizer que muitos jovens de alma rebelde (e até outros rock stars, por que não?) devem ter pensado (ou até de fato praticado) em promover algum tipo de delinquência para serem imortalizados nestes retratos marginais.

    A foto acima data de 1967, quando Jagger foi preso por porte de entorpecentes. Ele tinha 23 anos quando foi detido na casa do parceiro Keith Richards, que também saiu algemado. Eles dormiram poucas noites na Penitenciária de Brixton, pois logo pagaram fiança e foram libertados.

    Clique aqui para comprar a tee dos Rolling Stones na Online Store.

    TEE RAMONES

    A foto da camiseta acima reproduz uma capa alternativa para a coletânea dupla lançada em 1994. Segundo pesquisamos, a perna é mesmo de Joey Ramone.

    Disponível também em versão masculina, a tee dos Ramones para as meninas tem as mangas cortadas e um aspecto vintage que faz a peça parecer que já tem anos de estrada. Puro charme.

    Clique aqui para comprar a tee dos Romanos na Online Store.

    TEE GUNS ‘N’ ROSES

    A imagem que se tornou o símbolo do grupo liderado por Axl Rose apareceu pela primeira vez no compacto inglês de “Welcome to the jungle”, lançado no começo de 1988, e que vinha com “Nightrain” e “You’re crazy” (versão acústica). Foi novamente capa de single no final do mesmo ano: vinha “Sweet child o’ mine” em um lado e “It’s so easy” ao vivo no outro.

    No antológico “Use you illusion”, de 1991, o print acima foi contracapa e, de tão representativo, ganhou fundo prateado para o “Greatest hits” lançado 14 anos depois.

    Clique aqui para comprar a tee do Guns N’ Roses na Online Store.

    06/01/2015_19:52
    PORQUE VOCÊ DEVE ADQUIRIR JÁ O ÁLBUM DE LUXO DE BEYONCÉ

    por ISA TENÓRIO

    Quem não se lembra do impacto que o álbum visual de Beyoncé gerou em dezembro de 2013? Rewinding: sem qualquer publicidade, o disco de 14 faixas foi disponibilizado para venda no iTunes na madrugada no dia 13, junto à divulgação de 16 videoclipes no YouTube.

    A estratégia de confidencialidade deste álbum, inclusive, chamou muita atenção da mídia especializada, já que nenhum segundo de qualquer faixa vazou antes do lançamento oficial — ao contrário do que vive acontecendo com Madonna, vide a divulgação extraoficial de 13 demos de “Rebel heart” há menos de um mês.

    Se a sua memória ficou em 2014, é só clicar nestes links e conferir os vídeos dirigidos por Terry Richardson, Jake NavaHype Williams para Queen B. Além das características coreografias, da habitual sensualidade e do poderoso carão de Beyoncé, os vídeos ainda traziam registros de suas andanças por cidades como Nova York, Paris e Bahia.

    No final de 2014, entretanto, Bey fez a felicidade de seus fãs mais uma vez: reeditou o álbum “Beyoncé” e o relançou em uma edição de luxo. Além do CD original, “Beyoncé Platinum Edition Box Set” vem com um disco extra que incluí as inéditas “Ring off” e ”7/11″ e quatro remixes com as participações de Jay Z, Kanye West e Nicki Minaj. O duo com a rapper merece destaque: “Flawless” foi eleita a Melhor Música do Ano pela revista Times.

    Além do DVD de videoclipes, o novo box traz o show ao vivo da turnê “On the run” com livreto de fotos. Como se não fosse suficiente, um minicalendário 2015 foi incluído no pacote, para que os fãs de Beyoncé passem o ano inteiro com ela (#oba).

    Os cliques foram feitos por fotógrafos que a ELLUS ama, como Santiago & Mauricio, Nick Farrell e Robin Harper.

  • Doois Sites e Sistemas